Jagunço - Batismo de Sangue - Toti Bernardes e Alex Salles - Editora Ultimato do Bacon

Uma dívida precisa ser paga e tenham certeza que não será com dinheiro! Algumas coisas só o sangue pode resolver!

Acompanhe a Ultimato do Bacon

Depois de ler Jagunço – Batismo de Sangue, tenho certeza que preciso muito indicar a Editora Ultimato do Bacon. Sua proposta editorial, além do visual e qualidade de enredos, une o preço muito convidativo. Em épocas onde o poder aquisitivo do brasileiro cai a cada dia, esta é uma oportunidade única de diversão. 

Jagunço - Batismo de Sangue - Toti Bernardes e Alex Salles - Editora Ultimato do Bacon

O argumento e arte são de Toti Bernardes, que também assina o roteiro junto com Alex Salles. Este é o primeiro título avulso da editora, que não está abaixo da Revista Escafandro. Aproveite e leia as resenhas que fizemos da Revista Escafandro, aqui na Caverna do Caruso

Não leve para o pessoal, é apenas um trabalho 

Inegavelmente, é gratificante demais se deparar com um material como Jagunço – Batismo de Sangue. Aqui conhecemos a podridão de São José de Camões, uma cidade baiana que é um oásis da criminalidade. 

Mas o enredo nos apresenta uma cidade isolada, onde o protagonista vem finalizar um trabalho. Ele por sinal, não é apresentado nominalmente, sendo apenas chamado de Jagunço. Seu retorno a São José de Camões é também um retorno para uma casa, para um passado. 

A violência está em cada página. O sangue vivo escorre, apesar da arte em preto e branco feita por Toti Bernardes. Aproveito o gancho e preciso comentar sobre como o enquadramento e as cenas me lembraram do filme Kill Bill, de Quentin Tarantino

Outro ponto incrível é a utilização do branco em silhuetas e recortes. O uso deste contraste com o preto enriqueceu muito a leitura. Mantendo as devidas proporções, em alguns momentos me vinham à mente o mesmo impacto visual de Sin City, de Frank Miller, no uso de uma cor em meio ao p&b. O branco aqui sobressai de maneira precisa.

Outro artista que imagino ser uma influência do artista é Eduardo Risso. Em vários momentos, me peguei lembrando deste artista argentino, mestre mundialmente aclamado dos quadrinhos. 

Considerações finais 

Em suma, Jagunço – Batismo de Sangue é uma excelente história de introdução. Apesar do enredo simples, ele entrega o que pretende, pois introduz o personagem e seu universo de forma a deixar o leitor com aquele gosto de quero mais. 

Apesar de ser uma editora nova no mercado, a Ultimato do Bacon tem feito excelentes apostas. Com esta obra não foi diferente e certamente estou no aguardo de uma continuação. Acho que Machete ficaria feliz em ler esta história, assim como eu fiquei. Ficou curioso? Me diga nos comentários…

Tô LendoAlgumas imagens!
Jagunço - Batismo de Sangue - Toti Bernardes e Alex Salles - Editora Ultimato do Bacon
Jagunço - Batismo de Sangue - Toti Bernardes e Alex Salles - Editora Ultimato do Bacon
Jagunço - Batismo de Sangue - Toti Bernardes e Alex Salles - Editora Ultimato do Bacon
Jagunço - Batismo de Sangue - Toti Bernardes e Alex Salles - Editora Ultimato do Bacon
Jagunço - Batismo de Sangue - Toti Bernardes e Alex Salles - Editora Ultimato do Bacon
Jagunço - Batismo de Sangue - Toti Bernardes e Alex Salles - Editora Ultimato do Bacon

Alguns me perguntam porque nem tudo o que aparece aqui é simplesmente terror. O suspense é um gênero muito similar e precisa ser entendido para que possamos identificar os estilos de narrativa. Curtiu a pegada de Jagunço? Me conta aí!

Daniel Braga

Por: Daniel Braga

Pai de uma mulher, nerd, analista de sistemas especializado em infraestrutura, poeta, board game designer e sommelier de cervejas. Adora jogar board games e ouvir jazz anos 30/40, Dead Can Dance e rock and roll. Curte muito o gênero de horror e tudo relacionado, principalmente as boas leituras como Lovecraft, Blackwood, Machen e muitos outros.