Starman

Starman foi durante muitos anos, a minha Baleia Branca! Sempre quis ler essa obra completa e fiquei muito feliz quando, finalmente, consegui. E olha… valeu cada dia de espera!

Pra quem não conhece, Starman foi um desses heróis de segundo escalão da década de 40. Ele participou da Sociedade da Justiça e sofreu várias reformulações ao longo dos anos. Mas essa última, na mão do James Robinson, não poderia ser mais definitiva.

Robinson conta a história de Jack Knight, o filho mais novo de Ted Knight – o Starman original. Jack, diferente de seu irmão David, não quer ser super-herói. Enquanto seu irmão mais velho fez de tudo pra vestir a capa do pai, Jack abriu um brechó e foi viver sua paixão: o colecionismo de coisas vintages. Porém uma reviravolta acontece e Jack é obrigado, contra sua vontade, erguer o cajado cósmico do seu pai.

Vamos acompanhando a história desse herói relutante passando por várias etapas diferentes. Uma coisa que chama atenção logo de cara, é que, diferente da maioria dos alter egos dos super-heróis, esse é personagem tem personalidade. Parece uma pessoa de verdade, e não o arremedo de ideologias que muitas vezes a gente esbarra nas revistas de linha. Ele não tem um uniforme, ele usa roupas diferentes. Ao final da leitura, você sente como se realmente o conhecesse, que seria capaz de apontá-lo na rua caso ele passasse por você, mesmo que ele nunca tenha existido de carne e osso antes.

Outra coisa muito marcante da revista é como o James Robinson consegue, magistralmente, amarrar todas as pontas soltas de todos os Starman da história da DC. Ele une todos esses personagens que sempre foram meio “B” e transforma numa mitologia riquíssima, fazendo referência e reverência a absolutamente TODOS eles. É bem impressionante. Por outro lado, também, você não precisa ser um profundo conhecedor das histórias do Starman pra curtir a revista (afinal de contas, quem é?). Eu, por exemplo, só conhecia alguns dos personagens de orelhada e, ainda assim, pirei com as histórias. Mesmo não conhecendo todos, acaba sendo divertido colocar os nomes no Google e ver que eles “existiram de verdade”. O autor teve um trabalho verdadeiramente hercúleo, digno de um arqueólogo dos quadrinhos. James Robinson é nosso Indiana Jones Nerd! Ou “Indiana Jonerds”!

A arte das primeiras histórias (bem como o conceito visual de muitos personagens) fica a cargo do medalhão Tony Harris, responsável por Ex Machina e outras preciosidades. Ele mata a pau. É um daqueles casos em que a DC deu uma *&%¨ sorte e recebeu muito mais do que pagou, pegando um mega artista em início de carreira.

Agora… é uma jornada longa. São 10 encadernados! Aqui no Brasil só o primeiro arco foi publicado – duas vezes – e parte do segundo. O interessante é que ao longo desses encadernados, James Robinson, além de amarrar todas as pontas do universo do Starman (universo que nem existia, pra falar a verdade) correlaciona com os acontecimentos do universo DC na época (de 1995 a 1999). O leitor mais atento pegará várias referências ao DCU, até algumas bem específicas do Monstro do Pântano do Alan Moore. Essa, sem dúvida, é uma daquelas melhor aproveitada por leitores iniciados.

Então vamos às vantagens e desvantagens:

Tô Lendovantagens
  • História em quadrinho de super-heróis na veia, sem firula. Essa é daquelas clássicas jornadas do herói, linear, direta ao ponto. Apesar de colocar uma nova ótica no tema, não tenta reinventar a mídia, o que eu acho bom. Não tem forçações de barra pra deixar a revista mais realista, como ultra violência e coisas desse tipo. É uma história boa e se garante nisso, como se fazia antigamente. Vale muito a pena.
  • Ideal pra quem quer relembrar o maravilhoso universo DC pré Novos 52.
  • Uma leitura que respeita e recompensa o verdadeiro fã.
  • Apesar dos 80 números, ela é toda escrita pelo mesmo autor e acaba quando ele quer. Então você não vê seu personagem degringolar passando de mão em mão de equipe criativa em equipe criativa. É uma obra consistente até o último quadrinho.
  • Os desenhos são ótimos, até os substitutos do Tony Harris mandam bem.
  • Os primeiros 8 números foram republicados aqui pela Panini num encadernado capa dura luxuosíssimo. Antes disso, ele foi publicado aqui em edições avulsas até o número 11 pela Tudo em Quadrinhos e uma outra editora que eu não lembro o nome. Esses números avulsos são um pouco mais fáceis (e mais baratos) de achar em sebos. Já servem como um excelente teste drive.
Tô Lendodesvantagens
  • Se os primeiros 11 foram publicados no Brasil, os outros números, só lá fora. Não são exatamente nenhuma raridade, ou seja, não são caros, mas são mais fáceis de achar na compra pela internet do que no garimpo físico, por causa do que eu vou falar a seguir:
  • Os volumes encadernados americanos (pelo menos os que eu tenho), não tem uma ordem na lombada (tipo volume 1, volume 2, etc). Então pra descobrir a ordem de leitura você tem que penar um pouco, vendo qual encadernado reúne que edições. Para facilitar esse trabalho, deixo aqui uma mega lista de todos os encadernados já lançados sobre o personagem: http://www.tradereadingorder.com/character/starman/
  • O encadernado da Panini tá esgotado e as pessoas costumam cobrar um pulmão e um rim por ele. (Caso você não tenha entendido, é caro!)
  • As edições da Tudo em Quadrinhos e da Editora Magnum (“lembrei” o nome da outra editora, graças ao Google) envelheceram mal. Em especial as da Magnum tem uma qualidade bem inferior de impressão.
  • É uma leitura bem longa, que não é muito boa de ser interrompida. Como lida com grandes volumes de informações e personagens, as chances de você perder o fio de meada são muito grandes, principalmente se você demorar muito entre um arco e outro. Eu mesmo recomecei a leitura umas três vezes até eu conseguir completar os últimos números. Então o ideal é você ir lendo o mais direto possível e só parar quando encontrar aquele “ponto de corte” ideal.
  • Tem um encadernado ali no meio, talvez o segundo ou o terceiro, que é todo com histórias “paralelas” da revista. Esse pode te fazer desistir, é um pouco cansativo e verborrágico demais. Mas respira fundo e vai em frente, porque vale muito, muito, muito a pena!

Bem, é isso! Essa foi uma jornada muito marcante pra mim e eu adoraria conhecer outros colegas que já tenham passado por ela! Vocês estão por aí? Por favor, apareçam nos comentários! Eu estarei aqui, esperando…

Até a próxima e boas leituras!

Tô LendoAlgumas imagens!
Starman
Starman
Starman
Starman
Starman
Starman