Luther Strode hq

The Strange Talent of Luther Strode foi oferecido pra mim na cabine da Image Comics, na San Diego Comicon 2014.

A moça que trabalhava lá me viu paquerando as revistas, perguntou o que eu curtia e me indicou essa revista, falando que era “uma das novidades mais quentes” da editora. Em parte pelo aproach personalizado da moça (tipo Amazon, “se você gostou disso também gostará daquilo”) e em parte por ser uma mulher super descolada indicando quadrinhos, me empolguei e literalmente paguei pra ver. Fiquei bastante satisfeito com o resultado! É sempre legal descobrir coisas novas com um certo ar de “exclusividade”.

A trama é muuuuito parecida com a de Kick Ass, mas com super poderes. Um rapaz nerd e magrelo como a maioria de nós resolve pedir pelo correio uma daquelas revistas que te ensinam a ficar forte (que anunciavam nos gibis de antigamente, lembra?) e, para a surpresa de todos, ele realmente fica forte. Tipo, super forte. Capaz de ver através dos músculos das pessoas e usar suas mãos como armas, descobrindo um novo e estranho talento.

Aí qualquer semelhança com Kick Ass vai pelos ares. Começa uma trama de mortes, assassinatos e seitas bizarras (afinal, quem mandou a tal revista pelo correio?), tudo com contornos muito sombrios.

Em boa parte esses “contornos” são muito bem caracterizados pela arte do Tradd Moore. Aliás, a arte do homem é um prato cheíssimo! Com muita ação, muito gore – sangues e tripas – e uma boa caracterização de personagens. Me lembra um pouco a arte do Ryan Otley, desenhista do Invincible, mas um pouco mais estilizada. Se a trama criada por Justin Jordan pode, vez ou outra, recorrer a alguns momentos meio clichês, esse é um título que definitivamente se salva pela arte, que também é auxiliada imensamente pelo incrível trabalho de cores do brasileiro Felipe Sobreiro! Ponto para o Brasil-il-il!

A revista foi lançada pela image como uma mini-série e depois reunida em dois encadernados. Apesar de plantar uma base para futuros lançamentos, ambos os encadernados sobrevivem sozinhos, sem te deixar pendurado, esperando uma continuação.

Tô Lendovantagens
  • Apenas três encadernados ao todo. Nenhum compromisso pra vida toda.
  • Arte diferenciada. Perfeito pra quem gosta de “só ler as figuras”
  • Muita ação e violência
  • Leitura bastante rápida, ótimo pra quem tem muita coisa pra ler e não quer perder tempo.
  • Excelente pra quem não gosta de collants e capas.
  • Não é nem um pouco difícil de encontrar (fora daqui, é claro…)
  • TEM BRASILEIRO NA EQUIPE CRIATIVA! VAI BRASIL!!!
Tô Lendodesvantagens
  • Não foi publicado no Brasil. E algo me diz que nunca será.
  • Muita ação e violência (se você não curte, não é pra você)
  • Meio cheia de testosterona demais (não sei se apela bem para o público feminino ou para os leitores de um modo geral que não piram com porradaria constante e medição de forças ad infinitum)
  • Alguns momentos são um pouco clichês. Mas só alguns. Algunzinhos.
  • A leitura passa meio voando até demais. Então se você precisar pagar caro pela revista, talvez fique frustrado… Mas aí é só ler de novo!

E aí? Conhecia? Quer conhecer? Entra aí nos comentários e diz o que achou! Eu falei com pouco sobre essa revista na minha primeira participação no Podcast “Por Trás da Máscara”. Se for do interesse, procura aqui em cima na aba de podcasts (“Ouça!”), em “Outros” e dá uma ouvida que foi um papo bem legal.

Nos vemos aqui embaixo. No mais, até a próxima e boas leituras!

Tô LendoAlgumas imagens!
Luther Strode hq