Não é nem um pouco a minha cara falar de uma HQ como Gás Negro. Talvez ficasse melhor ao cargo do Dani Gárgula aqui do lado na Sexta Feira 13. Quem me conhece sabe que eu sou bem cagão e só a capa dessa revista me faz correr para o outro lado. Mas o nome WARREN ELLIS foi o suficiente pra me fazer voltar atrás e eu não me arrependi!

A HQ começa naquele esquema bem filme de terror (supondo que eu saiba que esquema é esse): rapaz leva a moça para conhecer seus pais numa ilhota afastada e promete dias românticos numa cabana no meio do mato (uma OBSESSÃO dos americanos). Tudo nessas primeiras cenas vai dando aquela tensãozinha típica de quem espera a m**** acontecer, afinal de contas você abriu um livro cujo o título é “GÁS NEGRO”. Será que ele é um psicopata? Será que ela, numa inversão de expectativa, é a psicopata? Ah, aquele cara do barco definitivamente é um psicopata! Os vizinhos malucos então, nem se fala! Psicpotas certeza! Mas o que vem pela frente é muito, muito pior.

Um repentino abalo sísmico libera um gás negro de dentro da terra e todo mundo que entra em contato com ele é alterado irremediavelmente. A não ser, é claro, nosso casalzinho isolado na cabana, que agora tem que se livrar dos perigos pelo caminho até chegar à segurança da casa dos seus pais. O diferencial desse gibi é que, diferente dos típicos zumbis com os quais estamos acostumados (tanto os que correm enlouquecidamente, tanto os que andam devagar mas te matam do mesmo jeito), esses camaradas são transformados em psicopatas zumbis, ou zumbis psicopatas. Eles falam, raciocinam, mantém habilidades motoras. Só que agora eles perdem todo e qualquer freio moral, viram vetores de suas necessidades mais animais e desumanas. É como se todo mundo começasse a se comportar na vida real como se comportar na internet. Aí, meu irmão, corre.

Além dessa particularidade, outras coisas na trama me surpreenderam bastante, em termos de escolhas de roteiro que eu nunca tinha visto antes, mas não quero falar aqui para não estragar a surpresa de ninguém (nossa que fácil fazer resenha, hein, seu Caruso?). Mas é o suficiente para dizer que vale a leitura.

A arte, no entanto, deixa muito a desejar. Não chega a atrapalhar a história, mas é bem fraquinha. Nunca vi esse desenhista antes, mas parece que ele ainda tem uma longa carreira pela frente. Curioso é que deixa todo mundo parecendo meio elenco de filme B, o que, de um certo modo, é perfeito para trama.

Bem, já falei demais, vamos para as vantagens e desvantagens:

Tô Lendovantagens
  • Saiu no Brasil! Pela Mythos! O que significa que, além de não ser difícil de achar, pode ser que você consiga pegar uma das várias promoções “o patrão enlouqueceu” que eles costumam fazer no site deles.
  • Um volume só
  • Ritmo muito acelerado. Tive que me controlar muito para não ler mais de um capítulo por vez
  • Surpresas na história
Tô Lendodesvantagens
  • Arte hor-ro-ro-as
  • Só capa dura
  • Muita desgraceira (se você não gosta, mantenha distância)
  • Arte ruim. Tão ruim que eu resolvi falar de novo.
  • História bem curtinha. Se você pagar caro por ela, pode ficar um pouco frustrado por conta disso.

Pra quem gosta da temática, eu acho que essa é uma excelente pedida! Um terrorzinho, mas não tãããõ pesado, por isso que eu aguentei e tô aqui. Pra quem quiser coisas mais “sombrias”, cata lá o Sexta Feira 13, mas POR FAVOR fica longe de mim! Rs

Tô LendoAlgumas imagens!
Gas Negro
Gas Negro
Gas Negro
Gas Negro
Gas Negro
Gas Negro