SUPER GIRO #54

Sai Desse Corpo

Tivemos poucas notícias interessantes esta semana, como a revelação que a série live-action de Star Wars será The Mandolorian, sobre um pistoleiro que atua longe dos domínios da Nova República. Mas pra coluna, nada foi mais importante que a estreia de Venom nos cinemas. Como já fui conferir correndo a produção, o texto vai ser todo sobre a produção, sem spoilers.

Decidi que não leria nenhuma crítica antes de conferir o filme, na quinta-feira, dia do lançamento no circuito nacional. Mas acabei lendo alguns títulos de resenha sem querer, o que foi suficiente pra sacar que a crítica especializada não curtiu muito a aventura solo da cueca preta do Homem-Aranha. Na verdade, eu meio que já estava esperando um filme meio méeee, como vocês podem ver no vídeo desta semana dos Três Elementos:

A crítica realmente detonou Venom. O Rotten Tomatoes só contabilizou 31% de resenhas positivas, o que resulta num tomatinho podre. Em compensação, a taxa de aprovação do público no mesmo site estava em 88% hoje. Bom, eu me considero uma mistura de crítico e público nerd, pois já trabalhei profissionalmente como resenhista de cinema e também sou daqueles fãs de cultura pop que vão para uma sala de projeção cheios de vontade de aplaudir o filme. Pois é, quase um simbionte, hihihihi! Minha opinião é que Venom é um bom filme B.

Não é tão lixo como os críticos estão apontando, nem esse filmão que os nerds estão enxergando. Como produto audiovisual, tem um roteiro preguiçoso, cheio de coincidências convenientes, além de alguns momentos de humor talvez involuntário. Como peça de entretenimento nerd, é um longa divertido e cheio de cenas de ação com o Venom que as pessoas gostam de ver nos quadrinhos, mas bem aquém da qualidade de um longa do MCU.

E como fã de quadrinhos e apreciador da primeira fase de Venom nas revistas, devo dizer que faz uma falta danada a conexão do simbionte com Peter Parker. Fazer de Eddie Brock o primeiro “match” do bichão preto não dá à trama nem metade da dramaticidade que havia nas HQs depois que o simbionte morou no Homem-Aranha. Nem faz sentido Venom ter aquela aparência de uniforme aracnídeo (pelo formato dos olhos) quando se conecta com um humano. E a primeira cena extra ficou pra lá de forçada, bem desnecessária, servindo só pra informar aos conhecedores que nesse universo criado para Venom no cinema, também existe um certo personagem que pode fazer render uma sequência. Outra coisa que me incomodou foi que Venom é apenas a mente original de um alienígena no corpo de Eddie Brock, e não uma nova consciência formada pela junção dos dois seres em simbiose.

De todo modo, se você não for muito exigente com coerência de narrativa e nem fizer questão de um mínimo de co-relação com o mundo real, vale a pena conferir essa quase comédia de ação com Venom. Mas não espere nenhum gore, pois o filme tem classificação indicativa para moleques.

Ulisses Mattos

Por: Ulisses Mattos

Ulisses Mattos é roteirista de humor na TV, um dos criadores do Alta Cúpula, do @na_Kombi e da websérie Épica das Galáxias. É membro do trio nerd Três Elementos e faz stand-up comedy. Escreveu sobre cinema no Jornal do Brasil e nos sites da Veja e Abacaxi Voador

2018-10-05T21:22:08+00:00 5 de outubro de 2018|2 Comentários
  • Jean Carlos

    Acabei de assistir Venom com meu filho, e gostei do filme me surprendeu as cenas engracadas e não são poucas, Tom Hardy até que mandou bem eu torci o nariz quando soube que o ator seria ele mais calou minha boca, nao posso entrar em mais detalhes pra não da spoiler mais recomendo sim o filme.

  • Ricardo Varotto

    Interessante sua sacada sobre nao fazer sentido ele parecer com o uniforme do Aranha, já que não passou pelo Parker. Não havia pensado nisso…