SEXTA-FEIRA 13 #44 – Mágico Vento – Garras

Início/Destaques, Leia!, Sexta-feira 13/SEXTA-FEIRA 13 #44 – Mágico Vento – Garras
Mágico Vento - Garras - Gianfranco Manfredi - Mythos Editora

Poderiam antigas feridas abertas verter o mal?

A aventura continua

Empolgado pela leitura do primeiro volume de Mágico Vento, chego ao segundo volume, Garras. Agora o sobrenatural já se mostra de uma forma incrível.

Mágico Vento - Garras - Gianfranco Manfredi - Mythos Editora

Mágico Vento – Garras – Gianfranco Manfredi – Mythos Editora

Criado por Gianfranco Manfredi em 1997, no Brasil, sua publicação é feita pela Mythos Editora, com tradução de Júlio Schneider. A arte deste volume é assinada por Barbati e Ramella, seguindo o padrão em preto e branco dos fumetti publicados pela Sérgio Bonelli Editore.

O sobrenatural desponta

O estranho ataque de uma águia ao povo Sioux causa desespero, quando uma criança é levada pelo enorme pássaro. Este fato acaba por iniciar duas linhas narrativas dentro do volume. 

Enquanto isso, a dupla Mágico Vento e Poe seguem para a aldeia do mestiço, após os acontecimentos do primeiro volume (leia nossa resenha aqui). 

Lá encontram o povo em medo e suplício devido ao sequestro do infante. Poe não entende a princípio a dinâmica daquela sociedade, mas seu amigo Mágico Vento vai lhe ensinando o que pode. 

Logo se percebe que o ataque do animal possui raízes enterradas em erros antigos. Mágico Vento parte sozinho para enfrentar perigos e desafios realmente sobrenaturais. A aura de terror da aventura é muito gostosa de se ler. 

Paralelamente, Poe fica na vila preocupado com o amigo e acaba, sem querer, sendo a salvação de um índio que estava se culpando pelo sequestro. Como eu esperava, Poe se mostra um personagem mais versátil do que apenas um sidekick, trazendo um lado humano incrível. 

O que mais gostei ao final foi perceber o carinho com que o roteiro é escrito. Não está sendo contada apenas uma história de faroeste. É proporcionado ao leitor muita informação sobre a visão indígena de respeito ao próximo e à coletividade. 

Considerações finais 

Em suma, já posso dizer que estou absolutamente encantado com a leitura de Mágico Vento. Quem nos segue aqui, já sabe que também sou fã de Julia Kendall, também personagem da Mythos Editora (leia mais resenhas dela aqui)

Fico me perguntando o que o terceiro volume guarda para nós e isso me mostra como uma boa leitura pode ser agradável. Que venham mais histórias deste personagem tão legal. 

Boa leitura!

Tô LendoAlgumas imagens!
Mágico Vento - Garras - Gianfranco Manfredi - Mythos Editora
Mágico Vento - Garras - Gianfranco Manfredi - Mythos Editora
Mágico Vento - Garras - Gianfranco Manfredi - Mythos Editora
Mágico Vento - Garras - Gianfranco Manfredi - Mythos Editora
Mágico Vento - Garras - Gianfranco Manfredi - Mythos Editora

Mágico Vento está sendo uma agradável surpresa. Os roteiros são muito interessantes e sempre com alguma novidade sobre o mundo dos personagens. Curtiu? Já leu? Me diga o que achou!

Daniel Braga

Por: Daniel Braga

Pai de uma mulher, nerd, analista de sistemas especializado em infraestrutura, poeta, board game designer e sommelier de cervejas. Adora jogar board games e ouvir jazz anos 30/40, Dead Can Dance e rock and roll. Curte muito o gênero de horror e tudo relacionado, principalmente as boas leituras como Lovecraft, Blackwood, Machen e muitos outros.

2021-02-19T12:45:52+00:00 19 de fevereiro de 2021|0 Comentários