SEXTA-FEIRA 13 #26 – Destino: Crônica de Mortes Anunciadas

Início/Destaques, Leia!, Sexta-feira 13/SEXTA-FEIRA 13 #26 – Destino: Crônica de Mortes Anunciadas
Destino - Crônicas de Mortes Anunciadas - Alisa Kwitney - Panini Books - Caverna do Caruso - Coluna Sexta Feira 13 - Daniel Gárgula

Pode alguém fugir de seu destino? Mesmo que você seja alguém com uma sina completamente sinistra?

Quadrinhos proféticos

Reler Destino: Crônica de Mortes Anunciadas foi incrivelmente surpreendente. Em tempos de epidemia e quarentena, como o que vivemos atualmente, essa história chamou minha atenção do nada. Ela estava ali parada na minha estante a quase 10 anos! Eu ia continuar a ler um livro que estava terminando quando a vi. Podemos dizer que foi curiosidade? Sim! Mas se foi só isso não sei.

Destino - Crônicas de Mortes Anunciadas - Alisa Kwitney - Panini Books - Caverna do Caruso - Coluna Sexta Feira 13 - Daniel Gárgula

Talvez tenha sido o destino! Mesmo que o trocadilho e a brincadeira sejam curiosas (ou ruins), depois que reabri esse encadernado não parei de ler até terminar. Mais uma vez trago algo antigo que vale a pena ser lido. Fiquem de olho pois já lia quadrinho muito antes dessa coluna ou do blog Canto do Gárgula.

Uma história sobre Peste

A grande beleza de Destino: Crônica de Mortes Anunciadas é que a história conta na verdade a vida da Peste, um dos quatro Cavaleiros do Apocalipse.  Sua vida está ligada intimamente com Destino, o Perpétuo mais velho de todos os Sete. Peste busca incansavelmente uma forma de não cumprir sua responsabilidade e isso é mostrado através do tempo. Tudo acontece porque uma única página foi arrancada do Livro do Destino

Seguindo pelo tempo vemos através de relatos verídicos o retorno de Peste e os trágicos acontecimentos que chegam com ele. Tudo ali é feito de forma singela e dá ao leitor a oportunidade de viajar pelos piores períodos da humanidade de uma maneira que só a Vertigo realmente consegue fazer. A poesia trágica da história não te ilude. O final é inclusive conhecido, apenas você, leitor, não está se lembrando ou mesmo preparado!

O argumento de Alisa Kwitney é poético, trágico e terrível. Aliada as artes maravilhosas de Kent Williams, Michael Zulli, Scott Hampton e Rebecca Guay esse quadrinho da DC Comics está sob o selo Vertigo. A publicação é antiga, de 2011, e foi publicada pela Panini Books para a série Sandman Apresenta, muito boa por sinal. A tradução foi feita por Edu Tanaka.

Conclusões finais

Essa releitura não poderia ser mais atual e estou absolutamente extasiado de encontrar tantos tristes paralelos com a realidade que estamos vivendo. Uma leitura adulta que precisa ser feita por qualquer amante de quadrinhos e principalmente por aqueles que optaram por seguir caminhos não científicos. 

Um encadernado antigo mas que você ainda poderá garimpar por aí. Como está ligado a Sandman e seu mundo é obviamente uma leitura sempre indicada a reflexões e críticas. 

Prepare-se pois o encontro com o Destino é inevitável! 

Boa leitura! 

Tô LendoAlgumas imagens!
Destino - Crônicas de Mortes Anunciadas - Alisa Kwitney - Panini Books - Caverna do Caruso - Coluna Sexta Feira 13 - Daniel Gárgula
Destino - Crônicas de Mortes Anunciadas - Alisa Kwitney - Panini Books - Caverna do Caruso - Coluna Sexta Feira 13 - Daniel Gárgula
Destino - Crônicas de Mortes Anunciadas - Alisa Kwitney - Panini Books - Caverna do Caruso - Coluna Sexta Feira 13 - Daniel Gárgula
Destino - Crônicas de Mortes Anunciadas - Alisa Kwitney - Panini Books - Caverna do Caruso - Coluna Sexta Feira 13 - Daniel Gárgula
Destino - Crônicas de Mortes Anunciadas - Alisa Kwitney - Panini Books - Caverna do Caruso - Coluna Sexta Feira 13 - Daniel Gárgula
Destino - Crônicas de Mortes Anunciadas - Alisa Kwitney - Panini Books - Caverna do Caruso - Coluna Sexta Feira 13 - Daniel Gárgula

Será que Destino guiou minha mão para que eu relesse essa historia nesses tempos tão obscuros? Terá então Peste retornado para o fim do mundo? Gostou de nossa resenha? Deixa seu comentário abaixo!

Daniel Braga

Por: Daniel Braga

Pai de uma mulher, nerd, analista de sistemas especializado em infraestrutura, poeta, board game designer e sommelier de cervejas. Adora jogar board games e ouvir jazz anos 30/40, Dead Can Dance e rock and roll. Curte muito o gênero de horror e tudo relacionado, principalmente as boas leituras como Lovecraft, Blackwood, Machen e muitos outros.

2020-05-22T16:21:40+00:00 22 de maio de 2020|0 Comentários