Sexta-Feira 13 #01 – Floresta dos Medos

Início/Destaques, Leia!, Sexta-feira 13/Sexta-Feira 13 #01 – Floresta dos Medos

Vamos entrar com Emily Carroll em sua Floresta dos Medos e conhecer cinco histórias de terror diferentes, terríveis e ao mesmo tempo incríveis onde a surpresa está sim, na próxima folha!

Cinco contos.

Cinco pérolas do horror.

Cinco incríveis experiências!

Ao terminar a leitura de Floresta dos Medos entendi perfeitamente porque Emily Carroll ganhou um prêmio Eisner (2015) entre outros prêmios. Não apenas é merecido pelo texto ser direto e claro, mas pelo seu traço que envolve demais o leitor. Muitos quadrinhos fazem esta conversa silenciosa através da imagem, mas no caso de Carroll esta conversa grita em alto e bom som com você conseguindo te inserir em um ambiente terrível onde o medo é palpável. Eventualmente você até mesmo ouvirá algum barulho (ou seria minha mente me pregando alguma peça?).

Seu traço único aliado às cores muito bem escolhidas conseguiram criar toda a atmosfera de terror perfeito. Em alguns momentos só temos desenhos e o timing narrativo é espetacular. Os olhos caminham mais rápido pelos quadros e criam esta poderosa sensação de medo. Tenha certeza que isso não é nada trivial de ser feito e neste ponto Carroll é uma mestra que consegue atingir seu objetivo facilmente!

Para vocês entenderem como ela é boa no que faz, quando se idealiza uma página de arte sequencial (outro nome rebuscado para revistas em quadrinhos) nada é ao acaso. A criação de cada quadro é pensada dentro da estrutura da página levando em consideração vários fatores como tamanho de cada quadrinho, posição, moldura entre outros. O espaçamento que existe entre cada quadro dá ao cérebro um tempo de análise que permite encadear informações da história criando assim uma continuidade mental que pode inclusive nos dar sensação de velocidade e tensão. Enquanto lia as cinco histórias me vi realmente assustado em vários momentos! Um trabalho em quadrinhos como este que consegue esse nível de sucesso em narrativas tão diferentes dentro de uma mesma proposta é algo espetacular! Que experiência foi ler estes contos!

Prefiro não entrar nos detalhes de cada uma das histórias pois ao final são contos e correria o risco de estragar as surpresas que este volume nos apresenta. São narrativas muito boas e devem ser curtidas em todo o seu potencial. Estou muito impressionado com o trabalho de Emily Carroll e seu nome já está no rol de grandes autores a serem sempre lidos e apreciados.

Fica a dica de uma leitura tétrica que vale muito a pena ser degustada.

Floresta dos Medos criada por Emily Carroll foi lançada em 2014 e foi publicada no Brasil pela DarkSide Books com tradução de Bruna Miranda.

Em seu site pessoal temos um pouco mais de seu traço tão original. Vale a visita.

Espero que tenham gostado e busquem esta leitura para que assim como se surpreendam com o incrível talento de Emily Carroll. Deixe seus comentários para conversarmos mais sobre o tema e um grande abraço.

Nos vemos na próxima.

Daniel Braga

Por: Daniel Braga

Pai de uma mulher, nerd, analista de sistemas especializado em infraestrutura, poeta, board game designer e sommelier de cervejas. Adora jogar board games e ouvir jazz anos 30/40, Dead Can Dance e rock and roll. Curte muito o gênero de horror e tudo relacionado, principalmente as boas leituras como Lovecraft, Blackwood, Machen e muitos outros.

2019-06-17T10:38:16+00:00 14 de junho de 2019|0 Comentários