Rebobinando #78 | Guerra Infinita

Início/Destaques, Leia!, Rebobinando/Rebobinando #78 | Guerra Infinita

Enquanto a DC Comics sofre com “crises”, a Marvel durante os anos tem sofrido muito com Guerras (Secretas, Civis, do Alto Evolucionário, Mundial do Hulk, etc.), e um outro problema, digamos, sem fim! Ou seria melhor dizer… INFINITO? Pega suas jóias, sua manopla e vem rebobinar comigo uma grande saga da editora: GUERRA INFINITA!

Imagina se o grande vilão do MCU fosse o Magus, com esse coquinho samurai? Pff. Hipster.

– Mas kadu? O filme da Marvel, Guerra Infinita, não foi em 2018? Porque você está falando da Saga só agora?

Bom, pequeno jovem nerd™, ACONTECE que apesar do nome “Guerra Infinita” ser muito mais marketeável do que “Desafio Infinito” (ou mesmo “A Manopla do Infinito” como deveria ser no original em inglês), a Saga que deu origem ao filme de 2018 não é a mesma. Se você não lembra, não viu, ou quer rever, fiz uma rebobinando sobre Desafio Infinito no ano passado e você pode ir lá conferir antes de ler a coluna desta semana.

Guerra Infinita é uma continuação direta de Desafio Infinito, obviamente. Tanto que a primeira edição abre exatamente onde a saga anterior terminou. Na fazenda do Thanos em um planetinha isolado no meio da galáxia. A saga foi publicada originalmente em seis edições nos EUA, em 1992. Aqui no Brasil, no entanto, ela saiu em janeiro MIL NOVECENTOS E NOVENTA E SEIS, sendo publicada como uma minissérie quinzenal em seis edições. Uau. E você aí reclamando da periodicidade da Panini, imagina ler hoje em dia uma história com quase quatro anos de atraso, pelas mãos da Abril Jovem! Imagina os spoilers? Mas sejamos justos, era uma outra época, né? O perigo de spoilers para este tipo de história era baixíssimo e convenhamos, a história nem era lá essas coisas!

Os doppelgangers malignos são bem mais pontudos. E precisam de mais dentistas.

Escrita pelo estelar Jim Starlin, ela seguia a linha do que ele já havia escrito A Saga de Thanos, Desafio Infinito, Capitão Marvel, Adam Warlock & a Guarda Infinita e coisas do tipo. Ou seja, não estava muito distante do que ele sabia fazer. Mas enquanto essas sagas e histórias apresentavam coisas novas, ou pelo menos twists interessantes sobre coisas já estabelecidas no universo Marvel, Guerra Infinita soa muito como “mais do mesmo”. A história é um pouco confusa e segue pelo menos quatro linhas diferentes de protagonistas, além do vilão que durante boa parte da saga fica só assistindo tudo por um “monitor mágico” (por falta de nome, porque eu nunca sei de onde sai tanta câmera pro cara observar a ação dos heróis NA LUA através dum monitorzinho). Os cortes entre as histórias dos protagonistas só deixa tudo mais confuso e, infelizmente, pelo menos no Brasil, o histórico de publicação de algumas histórias essenciais para o entendimento completo da história foram sumariamente ignorados!

Além dos crossovers com as inúmeras revistas, que dariam uma embasada melhor na saga, tipo Guarda Infinita e Quasar, ou estavam perdidas no mix de revistas, ou nem haviam sido publicadas em lugar algum. Sem falar no histórico do vilão Magus, intrinsecamente ligado à história de Adam Warlock cujas histórias haviam sido publicadas pela última vez em 1993, na Saga de Thanos e antes disso só em Heróis da TV (1982)! E TEM MAIS! Rolou uma confusão absurda comigo na época, porque “Warlock” em inglês significa “mago / feiticeiro” e “Magus” também, ou seja, qualquer outro herói com um nome de Warlock, teria como vilão um cara chamado Magus e… bom. Só vou dizer que eu demorei um bocado até perceber que o lado negro de Adam Warlock NÃO ERA O PAI de um certo alienígena tecnorgânico dos Novos Mutantes.

MAGUS, VOCÊ NÃO É O PAAAAAI! Mas você é, Magus. Não, não. O OUTRO Magus.

Desenhada por Ron Lim, o artista mais quebra galho dos anos 90, a mini também acaba perdendo um pouco da grandeza. Como a história vai ficando cada vez mais convoluta com o passar das edições, parece que o que segura ela são os money shots de Lim a cada, sei lá, cinco ou seis páginas. A todo momento ele mete uma splash page com uma cena de batalha meio genérica entre 37 heróis diferentes e torce pra ser o suficiente. Quando mal você se recupera de uma, logo aparece outra e assim vai. Fico achando que nas mãos de um artista um pouco mais competente, talvez a história fluísse melhor, mas jamais saberemos! Lembre que George Pérez abandonou o barco de Desafio Infinito no meio da história porque não concordava com os rumos e demorava demais para entregar as páginas!

Bryan Hitch ia levar 12 anos desenhando só essa página.

A guerra

Como eu disse antes, a história começa onde a antiga termina. Não exatamente cronologicamente, claro. Mas no planetinha-fazenda do Thanos, ele vive uma vida simples, plantando milho e colhendo amostras de energias sinistras do universo. Fazendo uso de um computador que IMPRIME suas leituras como se estivesse nos anos 50 ainda, ele descobre que há algo de errado na galáxia e troca de roupa com o seu espantalho, para depois sentar na sua melhor cópia de cadeira do Metron (que, convenhamos, foi a inspiração original do personagem) e parte para aventura!

Ele descobre que quem está por trás desse surto de energia cósmica fora dos padrões é o vilão Magus, que… ufa, guentái, vem comigo! Magus é o “lado maligno” do herói cósmico conhecido como Adam Warlock. Na verdade, Magus originalmente era uma versão maligna de Adam Warlock VINDA DO FUTURO e era o líder religioso da Igreja Universal da Verdade (é sério). Com o objetivo de assegurar sua transformação em Magus e manter o seu poder por séculos ele tenta guiar o jovem Adam Warlock em uma série de situações. Com a ajuda de Thanos, Adam quebra o ciclo do espaço-tempo continuum e apaga Magus da existência. PORÉM, depois dos eventos de Desafio Infinito, Adam Warlock vira o guardião da manopla do infinito e, com o objetivo de se tornar um “deus” mais justo ele, inconscientemente, expurga seus lados maligno e benigno, dando origem a um NOVO MAGUS. Este que vemos hoje, como vilão de Guerra Infinita! Ufa. Quadrinhos. ¯\_(ツ)_/¯

Pior que isso só explicar a origem do Cable.

Melhor que terapia.

– Peraí, Kadu! Você disse que ele expurga o lado mau E TAMBÉM o lado bom! Cadê o lado bom no meio disso tudo?

Foi almoçar.

Continuando. Magus conseguiu um grande poder através de múltiplas dimensões, que ele colocou numa “unidade de contenção” dentro de sua fortaleza num espaço entre as dimensões. Usando este poder ele conseguiu deixar a personificação do universo, a entidade cósmica conhecida como Eternidade, catatônica. O que deixa todo mundo no universo BOLADÍSSIMO. Além disso, sabendo que os heróis da Terra iriam se meter na briga, ele cria uma espécie de duplicatas malignas de todo mundo, porque, bom, esse é todo o métier dele, né? Ele manda essas cópias pra Terra e deixa todo mundo se virar. Alguns heróis ganham a briga, como o Homem-Aranha e Wolverine (claro) e outros perdem, como Homem-de-Ferro e Reed Richards.

E é aí que tudo começa a ficar confuso. Porque começamos a seguir cada vez mais protagonistas diferentes na história. Temos em primeiro lugar, Thanos, Adam Warlock e a Guarda Infinita bolando planos para saber quem é esse novo Magus e como derrotá-lo. Em segundo lugar temos Galactus e seus Arautos (puta nome de banda, meo), Surfista Prateado, Dr. Estranho tentando descobrir o que aconteceu com Eternidade e como fazê-lo voltar a “funcionar”. Em terceiro lugar temos Doutor Destino e Kang, o Conquistador analisando em segredo as leituras de energia e indo atrás da fonte (na fortaleza de Magus) a fim de tomá-la para si. E na rabeira desse campeonato de desimportância cósmica temos os Maiores Heróis da Terra mais perdidos que o Demolidor em tiroteio. Na boa, no meio disso tudo eles realmente não passam de bucha de canhão e eu me pergunto se era realmente necessário colocar todos os heróis nessa história e não manter apenas o primeiro e o segundo grupos. Talvez o terceiro.

Destino e Kang. Uma nova dupla sertaneja?

Em paralelo, temos toda a verborragia cósmica de Starlin preenchendo páginas e mais páginas de texto cada vez que o vilão abre a boca para monologar com seu assecla, uma cópia maligna do Thanos que é, peraí, IGUALZINHA AO THANOS. Hahaha. Ok, isso foi maneiro. Porque cada cópia de cada herói é claramente maligna. É só olhar para as armas serrilhadas, os dentes pontudos, bocas largas salivantes e os espinhos em lugares muito improváveis no univorme. O Homem-de-Ferro maligno por exemplo, além dos espinhos na armadura e todo envolto em ARAME FARPADO e se isso não é super anos 90, eu não sei o que é!

Depois de muita confusão e porradaria desnecessária, ficamos entendendo mais ou menos qual o plano de Magus. O objetivo, desde sempre, foi coletar a manopla do infinito mais uma vez. Só que depois de um julgamento cósmico liderado por ninguém menos que o Tribunal Vivo, com o próprio Eternidade como advogado de acusação, ficou estabelecido que as Jóias do Infinito jamais poderiam ser utilizadas em uníssono de novo. Com isso, beleza. Adam Warlock cria a Guarda Infinita e distribui as jóias entre aqueles que ele confia e cada um usa responsavelmente. Só que, com Eternidade catatônico o tecido da realidade começa a ficar em perigo e os heróis decidem que só o poder da manopla é o suficiente para consertar tudo. Quando fica decidido que Galactus vai apelar para o Tribunal Vivo que libere o uso das jóias em uníssono SÓ DESTA VEZINHA, Magus ressurge e rapta Warlock, que estava com a manopla do infinito em mãos.

Deve ser a pilha.

Em sua fortaleza no meio das dimensões, ele acompanha o apelo de Galactus e espera ansiosamente que a manopla volte a funcionar para se tornar um deus! EM PARALELO A ISSO TUDO, MEODEOS, Thanos convence Quasar a usar o Nulificador Total na fortaleza de Magus e se sacrificar em nome do bem maior. Só que ENQUANTO ISSO ACONTECE, Doutor Destino e Kang invadem a fortaleza de Magus e descobrem que a fonte de poder dele vem de CINCO CUBOS CÓSMICOS diferentes, coletados de outras dimensões! Vendo a manopla nas mãos do vilão, Destino passa a perna em Kang, derrota Warlock e TAMBÉM DERROTA MAGUS. Na boa, o Destino é foda! Só que quando ele está prestes a retirar a manopla o infinito das mãos do lado maligno de Warlock, o apelo de Galactus passa pelo Tribunal Vivo e as jóias voltam a funcionar como uma só.

Danou-se.

Sério. Doom e Kang. Melhores antagonistas.

Magus passa o restante da edição final se gabando loucamente e nem percebe que há algo de errado na manopla do infinito. Warlock diz “então cai na mão”, Magus topa e a porrada estanca. No meio da luta, Magus percebe que alguma coisa não está certa, ao que Warlock confirma e libera de dentro da manopla um ser que é a mistura de Eternidade e Infinito (uma entidade-irmã de Eternidade, que fazia parte das histórias do Quasar). Os dois derrotam Magus que acaba aprisionado na jóia da alma de Adam Warlock. O processo todo deixa o herói em coma.

No fim, todos voltam pra casa e Thanos explica que, além de ser ele mesmo o “guardião secreto” da jóia da realidade, a manopla jamais poderia funcionar corretamente e que Magus não havia ganhado onipotência com ela. Isso porque a jóia que ele devolveu à Warlock era falsa e foi justamente isso que permitiu que o herói derrotasse seu lado maligno. Dentro da jóia da alma vemos Magus não aceitando sua derrota e clamando aos céus que “um dia ele sairá de lá” e “vingança” blábláblá “pode esperar” blábláblá “o que é teu tá guardado”, etc. Só que, ao tentar interagir com outros habitantes do Reino da Jóia da Alma, ele percebe que é intangível, invisível. Como ele é apenas um “lado maligno” e não uma “alma completa”, dentro da jóia ele é menos do que uma sombra. Condenado pela eternidade.

Vai montar tua Igreja Universal em outro lugar, Magus!

Tô LendoPontos Fortes
  • Momentos interessantes. Relendo a história confesso que achei muito mais interessante acompanhar o desdobramento da história de Destino e Kang, Thanos e Warlock do que todo o resto. Apesar disso, ela tem um ação bacana e, mesmo com todos os tais money shots do Ron Lim, é bem legal catar uns piolhos nas páginas duplas e ver todos os heróis espremidos ali.
  • Fácil de achar. Não sei quanto estão cobrando por aí, mas não imagino que seja muito. Deve ter um bocado das edições antigas disponíveis no mercado livre, e recentemente a Panini lançou um encadernado com toda a trilogia do infinito disponível. Tá caríssima, mas e você tiver bala na agulha, vai em frente.
Tô LendoPontos Meh
  • Inconsistente. A história tem seus bons momentos? Tem. Destino metendo o pau em todo mundo e quase virando deus foi o ponto mais alto de todos. Mas tem muita lenga-lenga nesse meio. Como eu disse lá em cima, dava pra reduzir metade desse elenco aí e fazer uma história mais concisa e coerente, sem tantos plot twists desnecessários e explicações de buracos de roteiro logo na edição seguinte.
  • Desenhos. Ron Lim é pau pra toda obra. Gosto um bocado da arte dele nas revistas de linha, e adorava X-men 2099. Mas aqui? Fico imaginando um remake dessa história nas mãos de alguém mais fodão, sabe? Ela merecia um Alex Ross ou alguém assim.

Apesar do nome, o filme Guerra Infinita não tem nada a ver com essa história. Imagino que o filme seguinte, Vingadores: Ultimato, também não. O que é uma pena, na verdade. Sei que o MCU é um universo consistente na medida do possível, mas não posso negar que sinto muita falta de ver um Doutor Destino, ou um Surfista Prateado nessas histórias cósmicas do cinema! Só nos resta esperar que a Fase 4 venha com tudo, trazendo novos heróis, de novas propriedades intelectuais expandindo cada vez mais o universo cinematográfico, para que um dia possamos ter money shots deste tipo.

Cashin! $$$$

E não deste.

Ok, foi maneiro, vai?

E você? Já leu Guerra Infinita? Lembra? Tem alguma outra saga cósmica que você quer ver aqui? Será que o Homem-Formiga vai derrotar o Thanos pelo bumbum? São tantas perguntas!

A minissérie Guerra Infinita vale três rebobinandos! 📼📼📼

Kadu Castro

Por: Kadu Castro

Quadrinista, criador do “Escalafobético, O Ornitorrinco” ( e ainda esperando o sucesso). Professor de Inglês. Fã de quadrinhos. Aprendeu a desenhar vendo o Jim Lee, mas é fã mesmo do Scott McCloud. Acessórios vendidos separadamente. Não inclui pilhas.

2019-04-23T01:42:31+00:00 22 de abril de 2019|8 Comentários
  • Gabriel Vaz

    Uma saga loucura total, de fato hahaha

  • Diego

    Otimo texto parabens que site maravilhoso .
    Concordo li a um tempo atras achei muito enrolado em algumas partes

    • Opa, valeu pelos elogios! É é verdade, tem alguns clássicos que não sobrevivem muito bem quando relemos depois de velhos…

      • Roberto Hunger Junior

        Mas a Marvel não tem clássicos… Ops, posso dizer isto aqui? Por favor oculte este comentário do Caruso. Ok. Rss. Piada a parte, eu reli esta história uns poucos anos depois e já não achei tão legal, mas época lembro de ter ficado na pilha pelas continuações, e de ter gostado demais da arte. Ainda é melhor pra mim do que algumas coisas atuais , pode apostar.

        • EEEEEPAAAA! EEEEEPAAAA! Quem é que veio com essa história de que a Marvel não tem clássicos? Hahahah!

          Aposto que foram os Melhores do Mundo, aqueles sacripantas! 😜

          Mas sim, Guerra Infinita não é a melhor das histórias e provavelmente não entra na categoria de “clássicos”. A adaptação cinematográfica só se deu por causa do nome mesmo. Eu preferiria que o filme se chamasse Desafio Infinito mesmo, fazendo alusão à saga correta.

          Enfim. Nem tudo sobrevive ao teste do tempo, infelizmente. Mas tem outras histórias mais bacanas da Marvel pra gente curtir!

          • Roberto Hunger Junior

            O episódio onde o Caruso sofreu aquele GangBang DCnauta está gravado em nossas memórias… Para sempre. Mas apenas para constar, foi naquele episódio que passei a buscar mais sites com a presença do Caruso, cheguei aqui, no podcrastinadores e outros canais dele. O MDM é assim, um mau necessário em certos momentos.

  • Ken-Oh

    Putz!!! Agora eu sei de onde veio o Dopplerganger do Aranha q aparece na maravilhosa (só q n) mini serie Maximun Carnage. E po a copia do Colussus é o Sr. Sinistro fazendo cosplay do Colussus e esse escudo do Cap Evil ali. Yahahahaha.
    Carai nunca imaginei q essa saga fosse essa zona toda, só conheci o Magus com os Guardiões da Galaxia de 2008, onde ele era um vilão menos tosco.

    Valeu pelp post Kadu, ficou muito bom. E deixo a pergunta: Tem ou ja teve planos pra um poste de Maximun Carnage ? YAHAHAHA!!!