Rebobinando #51

Em fevereiro de 1992 estreava aqui no Brasil em Homem-Aranha #104 aquele que seria um dos maiores vilões da galeria de adversários do herói. Desnecessário dizer que nos anos seguintes ele apareceria em quase todas as revistas de linha, enfrentando não só o Aranha, como também outros heróis como Motoqueiro Fantasma, Wolverine e, porque não, os Vingadores. A parceria entre Eddie Brock e o Simbionte rendeu muita fama ao personagem e muito lucro à Marvel, claro. Talvez por isso que em 1993 eles tenham relançado uma de suas Graphic Novels mais fraquinhas. Hoje a Rebobinando fala de Vingadores: A Gruta, Armadilha Mortal!

Eddie Brock, o Venom, e Truman Marsh, o supervisor da prisão. Os dois principais antagonistas da graphic novel!

No iníciozinho dos anos 80 o editor-chefe da Marvel, o lendário Jim shooter, percebendo uma leve alavancada nas vendas dos títulos da editora durante o verão decidiu lançar uma nova linha de quadrinhos mais pomposos chamada de Marvel Graphic Novel! De status elevado, a linha apresentava histórias com os personagens da Marvel em uma publicação de capa dura, no formato europeu (21 cm x 28 cm) e papel especial. Era uma tentativa de alavancar os títulos da editora ao patamar de arte, talvez. Ou era só um jeito de arrancar mais dinheiro dos fãs. O fato é que funcionou bem e de 1981 a 1993 eles publicaram bastante coisa da linha, sendo a primeira delas A Morte do Capitão Marvel, de Jim Starlin.

Apesar de muitas outras coisas maneiras terem saído pela selo Graphic Novel, tipo Doutor Destino & Doutor Estranho e X-Men: Deus Ama e o Homem Mata, saía muita coisa que não valia muito a pena o tratamento artístico devotado. Nesse caso em específico, essa história dos Vingadores. Publicada originalmente em 1991, Avengers – Deathtrap: The Vault, parece mais como uma história de linha da revista que não teve muito espaço na época para ser publicada e jogaram ela ali pra ver se saía de uma vez. Tanto é que em 1993 a mesmíssima história foi republicada como uma “edição especial”, renomeada Venom – Deathtrap: The Vault. Lançada com formato americano, sem a pompa toda da selo original. Aqui no Brasil a história saiu também em 1993 em Marvel Graphic Novel #17, mas com tudo misturado. Seguindo o título da aventura original, com os Vingadores, mas mantendo a capa da re-edição, com o Venom.

Ron Lim, o desenhista. E Danny Fingeroth, o roteirista. Ambos já fizeram trabalhos ótimos, este gibi, porém, não é um deles.

Os Responsáveis

A história foi escrita pelo veterano Danny Fingeroth, que já havia trabalhado na revista da Cristal (Dazzler, a mutante de X-men), mas também escrevia para Vingadores da Costa Oeste e Homem-de-Ferro. Fuçando o Comic Book Database do cara, descobri que além disso ele foi escritor de todas as edições do Falcão de Aço, que era um super-herói de segunda criado pelo Tom DeFalco, e que no Brasil saía dentro do mix dos gibis do Aranha. Ele também escreveu a minissérie The Deadly Foes of Spider-Man (1991), que saiu por aqui em Épicos Marvel #5, em 1994. Ou seja, o cara conhece pra caramba o universo Marvel.

Os desenhos ficaram a cargo do já conhecido Rom Lim, um cara cujo traço eu curto. Eu chamo ele de “o primo pobre do Jim Lee”, porque acho que ele sofre um pouco do mesmo problema de desenhar todo mundo na mesma pose e os caras com a mesma cara, mas convenhamos, ele é eficiente e tem um traço limpo, o que já é alguma coisa. Ainda mais se considerando que ele desenhava diversas revistas de linha ao mesmo tempo na época. Pra mim, X-men 2099 nunca mais foi o mesmo depois que ele saiu… *suspiro*

Um dos mapas ultrassecretos da Gruta. E a sala do reator nuclear da prisão, onde Venom e Marsh se encontram pela última vez!

O Local

Muito antes da Balsa, no universo Marvel havia uma outra prisão para supervilões, com o nome de Instalação de Segurança Máxima dos Estados Unidos para o Encarceramento de Criminosos Super-Humanos! Como a sigla daria algo do tipo SMEUPECSH (*saúde*), tanto os funcionários do governo, como os heróis, como os próprios supervilões tinham um apelido carinhoso pra ela: A Gruta! Enfiada metros abaixo da cordilheira de montanhas rochosas do Colorado, a prisão foi uma alternativa à contenção dos supercriminosos da editora que ficavam presos em “partes especiais” das prisões comuns.

Depois de muitas fugas e rebeliões, até onde eu me lembro foram cinco ou seis fugas em massa, a prisão acabou sendo destruída em uma história dos Vingadores. Isso levou o governo americano a desconsiderar a ideia de colocar tanta gente ruim com superpoderes num lugar só e outras alternativas foram sendo avaliadas, como a criação da Balsa (The Raft), uma extensão da prisão da Ilha Ryker, a Prisão de Seagate e a Casa Grande, criada por Hank Pym. Venom foi um dos vilões que aparentemente mais conseguiu escapar da Gruta… o que uma pessoa movida pelo ódio não faz, né?

Venom e Mentallo planejam sua fuga!

A História

Tudo começa, claro, na prisão da Gruta. Por motivos óbvios, era bastante comum que os julgamentos de alguns super vilões fossem efetuados ali mesmo no local, o que já facilitaria muito o traslado e impediria ataques aos comboios e tal. Basil Sandhurst, o Controlador, está sendo julgado e graças ao testemunho do Capitão América e do Dr. Hank Pym, ele foi sentenciado e imediatamente encarcerado pelos guardas da prisão, os Guardiões.

A prisão está sendo comandada pelo novo supervisor, Truman Marsh, que tem um passado no mínimo complicado com super seres. Quando criança os pais dele foram mortos numa batalha entre super vilões e super-heróis, então como todo Batman, como todo Justiceiro, ele jurou vingança! Só que como ele escolheu trabalhar para o governo, a vingança dele se resume a não deixar mais nenhum bandido escapar de sua prisão. Mas ele também não curte muito os super-heróis, vamos ser francos.

Pra explodir essa Gruta É BOMBA! Para explodir os vilões É BOMBA! E os Vingadores vão descendo assim, assim, assim…

Obviamente, o cara não é flor que se cheire e realiza experimentos nos detentos. Num desses testes, que parecem envolver muita dor, um surto de energia acaba aumentando os poderes de um outro prisioneiro, Marvin Flumm, o Mentallo! Isso permite que ele consiga anular os amortecedores psíquicos em sua cela e ele acaba estabelecendo contato telepático com o seu colega mais próximo: Eddie Brock, o Venom! O vilão do Aranha estava de boas, editando o jornal da prisão quando é contactado mentalmente e os dois estabelecem um plano de fuga.

Logo em seguida, outros vilões vão sendo libertados, como Tufão, Rocha Lunar, Electro, Homem-Gorila, Frenesi, Vapor e Maça. Juntos eles vão conseguindo sobrepujar cada medida de segurança da prisão utilizando os seus poderes. Outros detentos vão escapando como podem e o supervisor ao perceber o problema fica com o dedo coçando para apertar um certo botão em sua mesa! Justo quando Orca, Bala e Grifo estão prestes a fugir, eles encontram Hank Pym e o Capitão América do lado de fora da prisão. Os três são rapidamente derrotados e levados de volta para dentro pelos heróis.

Vai uma mão aí, Capitão?

Não muito longe dali, a Força Federal foi convocada para lidar com a fuga em massa. Liderada por Mística, a equipe conta com o Comando Escarlate e Supersabre, além dos mutantes Blob, Pyro e Avalanche. Eles ponderam a ironia de serem antigos vilões, mas que agora trabalham para o governo e precisam colocar os bandidos em seus devidos lugares. Ao mesmo tempo, os Vingadores da Costa Oeste são convocados pelo Capitão e a equipe parte para a Gruta para ajudar.

Enquanto isso, Venom começa a fazer reféns e ameaça matar um a cada cinco minutos se o supervisor não aderir às suas exigências. Truman Marsh então pondera se não vale a pena acabar com tudo logo de uma vez e poupar o trabalho de todo mundo. Acontece que a prisão tem uma linha direta com a Sala Oval, do presidente dos EUA. Lá ele tem um botão que aciona um “mecanismo do juízo final”, uma bomba ligada ao reator nuclear da prisão que explodiria a prisão inteira e quem estivesse dentro dela. Marsh tomou o controle da bomba e agora ele é quem decide quando ela vai explodir.

A Força Federal e os Vingadores são chamados para intervir!

Logo após a Força Federal chegar ao local, Marsh percebe que o dispositivo foi acionado acidentalmente. Em sua loucura ele desce até um dos porões da prisão através de um elevador secreto e desativa todas as contramedidas que poderiam desligar a bomba e se prepara para fugir. Ele acaba sendo capturado por Venom e levado como refém, justamente quando o restante dos Vingadores chegam.

Eles descobrem a bomba e agora precisam trabalhar em conjunto com a Força Federal para invadir a prisão sem serem notados pelos detentos e desativar a bomba e prender todo mundo de volta! Claro que dá errado e os times se dividem e acabam sendo incapacitados um a um, sendo colocados à mercê de todos aqueles supervilões. Sem saída, os heróis acabam convencendo Venom e o restante de que a bomba é real, o que faz com que Hank Pym, o Homem-de-Ferro e Maça se juntem para desativar o dispositivo. Eles acabam conseguindo e, em meio ao alívio de sobreviverem, a porrada começa a estancar.

Pym, Maça e Homem-de-Ferro desarmam a bomba que não podia ser desarmada!

Truman Marsh escapa da briga e é seguido por Venom. O supervisor da prisão, totalmente enlouquecido, sobrecarrega o reator nuclear e faz com que ele entre em colapso! Ao encontrar Venom ele diz que fez isso em nome de seus pais e o vilão aracnídeo acaba por jogar o supervisor dentro do reator. Num último esforço, o restante dos Vingadores consegue conter a fuga em massa, mas precisam agora lidar com uma explosão nuclear que ameaça destruir metade do estado do Colorado!

O Homem-de-Ferro e o Dr. Chen Lu, o Homem-Radioativo conseguem absorver parte da radiação e Hank Pym conserta o reator para que não exploda. Assim, mais uma vez o dia foi salvo pelos Vingadores!

*música-tema das Meninas Superpoderosas*

Tô LendoPontos Fortes
  • A arte. Eu curto bastante o desenho do Ron Lim, como já havia comentado. Muito embora ele pareça meio estático em alguns pontos, ele tem uma noção de ação bem bacana.
  • Divertido. É bacana pra passar o tempo. Mas tem uma pinta de episódio de seriado daqueles que você esquece assim que muda de canal.
Tô LendoPontos Meh
  • A história. Assim, dá pra ver que ela tem um potencial ali, que poderia ser mais bem trabalhado. Ela acaba ficando com uma cara de que seria um arco de histórias “ok” se saísse na revista mensal dos Vingadores. Agora, pruma Graphic Novel? Super genérica.

Como ficaria a sigla de um filme do Venom vs. Visão? “VvV”?

Mas na boa? Uma adaptação bacana desse argumento poderia resultar num filme bem legal do MCU, você não acha? Bom, é difícil superar os riscos de uma Guerra Infinita e um Thanos, eu sei! Mas o futuro da Marvel Studios não pode ser só os vilões cósmicos, não é mesmo? Se os filmes parassem com essa mania de matar a maioria dos vilões, seria interessante assistirmos um filme que envolvesse uma fuga em massa dos bandidos presos na Balsa que vimos em Capitão América: Guerra Civil!

Vingadores: A Balsa, Armadilha Mortal, poderia até deixar uma ponta solta para Vingadores: Atos de Vingança, onde os arqui-vilões seria liderados pelo Doutor Destino e trocariam de lugar e enfrentariam outros heróis! Mas eu tô só viajando. Ainda acho o argumento bom, mas a história em si é bem fraquinha. Uma pena, porque eu tinha boas memórias dessa revista.

Vingadores: A Gruta, Armadilha Mortal vale só duas rebobinandos! 📼📼

Kadu Castro

Por: Kadu Castro

Quadrinista, criador do “Escalafobético, O Ornitorrinco” ( e ainda esperando o sucesso). Professor de Inglês. Fã de quadrinhos. Aprendeu a desenhar vendo o Jim Lee, mas é fã mesmo do Scott McCloud. Acessórios vendidos separadamente. Não inclui pilhas.

2018-09-18T02:05:54+00:00 24 de setembro de 2018|2 Comentários
  • Ricardo Varotto

    Não sei se nos EUA as Graphic Novels saíam em capa dura, como você falou, mas aqui não era assim, Estou certo disso porque ainda tenho as que comprei na época desde o primeiro número.

    • Ah, sim. Por aqui com certeza não. Mas em algumas pesquisas eu vi que saiam em ‘hardcover’. Talvez não saíssem todas… Mas pelo que me consta pelo menos a primeira impressão dessa daí saiu sim.