Rebobinando #45

Mais rápido que uma bala! Tão poderoso quanto um Super Saiyajin! Com mais espinhos do que o meu último relacionamento! Ele é o porco-espinho azul mais querido do universo! O mascote mais reconhecido dos videogames, talvez depois de um certo encanador italiano que te carcou atrás do armário… É isso mesmo! Hoje nós vamos falar de Sonic! Mas não um Sonic qualquer, não. Sentaí que a Rebobinando é sobre Sonic the hedgehog 2!

Clica, leia e divirta-se!

Comentei outras vezes aqui que fui um “segueta”, digo, um fã da Sega. Como eu tinha amigos que tinham o NES ou o SNES, eu nunca senti a obrigação de ter um jogo igual e tinha uma certa preferência pelo bom e velho Mega Drive. Por conta disso, nunca joguei um jogo sequer do Mario (a não ser o 64 e o Kart 64) e nenhum dos outros clássicos da Nintendo. Porém se Sonic pudesse abrir um buraco no meu console, isso provavelmente teria acontecido depois do tanto que eu joguei esse jogo.

Meu primeiro jogo do Mega Drive acabou sendo mesmo o Altered Beast (como já comentei aqui), mas o primeiro Sonic veio logo em seguida. Foram sete fases de pura emoção e dificuldade extremas! Eu tenho pesadelos até hoje com aquela maldita musiquinha do afogamento da Zona do Labirinto!

Isso foi lá pelos idos de 1991, pouco depois do jogo ter sido lançado lá nos EUA em Junho. Porém não muito mais de um ano depois, mais especificamente em Novembro de 1992 a Sega mais do que prontamente lançou o segundo jogo da franquia, para a alegria deste que vos fala aqui. E como ao final daquele ano, eu tive a oportunidade de ir à Disney, acabei comprando o segundo jogo antes de sair no Brasil (na verdade eu sempre achei isso, mas não lembro quando o jogo saiu de fato no país então pode ser só delírio meu).

Se a floresta é dos amigos do Sonic, porque tem placas com a cara do Robotinik espalhadas por aí?

O jogo

O Dr. Robotinik está de volta e continua transformando seus amiguinhos da floresta em robôs. Somente o Sonic poderá ajudá-los e… opa! Agora o nosso herói tem um sidekick também? Sim, o fofinho Miles “Tails” Prower chegou junto com uma opção de 2 Players que não existia no jogo anterior! Foi absolutamente necessário? Não. Dá pra jogar com os dois no jogo? Mais ou menos. Mas como o trocadilho do nome do Tails é uma coisa linda de morrer, eu deixo passar!

Em tempo: “Miles Prower” = “Miles Per Hour” = “Milhas Por Hora”. 

Então. No jogo não dá pra jogar muito bem com o Tails. Diferente de Toejam & Earl, por exemplo, onde o jogo dividia a tela quando os jogadores se separavam, em Sonic 2 isso não acontece. O Player 2 que joga com o Tails precisa fazer de tudo para acompanhar o Player 1, senão… bom, nada acontece, de fato. Ele aparece voando logo depois e tá tudo ok. Era meio chato pra quem quer que estivesse no segundo controle, mas não era o fim do mundo.

A zona da usina química parece nome de filme de comédia.

O jogo, porém, introduziu também um modo versus. Onde os dois jogadores disputavam, e aí sim numa tela dividida, uma corrida em algumas das fases do jogo. Era interessante, mas bater um contra em Sonic não era exatamente uma emoção como no Road Rash 3, ou no Top Gear 2. O bom do jogo mesmo era jogar o que hoje poderíamos chamar de “story mode”, né? Fase a fase, chefão a chefão.

Com o dobro de níveis desta vez, o jogo talvez devesse seguir a linha de Velozes e Furiosos e se chamar 2 Fast 2 Sonic. Já que a onda é aumentar tudo pra dois. Hehe. Bom, uma coisa diminuiu. No primeiro jogo cada zona tinha três “Atos”. Você tinha que passar por dois deles e enfrentar o chefão no terceiro. No jogo novo, cada zona tinha apenas dois atos. Tirando uma das úlitmas, a Zona Metrópolis que manteve três atos. O bacana é que cada uma tinha os seus detalhes que lembravam o primeiro jogo, mas que atualizavam os desafios de um jeito quase frustrante. Ainda bem que não era o suficiente para fazer o jogo impossível e deixar todo mundo desistir de jogar.

As malditas Fases Bônus!

No final, as Zonas eram:

  • Emerald Hill Zone – A primeira. Classicona, aquela que a gente sempre pensa quando pensa no Sonic. Loops, árvores e muito verde.
  • Chemical Plant Zone – Essa era uma das que faziam o Sonic ir tão rápido que nem a câmera do jogo conseguia acompanhar. Nela já tinha o perigo de afogamento e a maldita música.
  • Aquatic Ruin Zone – Outra com risco de afogamento. Quase toda embaixo d’água, lembrava bastante a Zona Labirinto do primeiro jogo.
  • Casino Night Zone – Era quase um pinball. Boa parte dela era jogando o Sonic pra cima como uma bolinha de pinball e ficar apostando nos “caça-níqueis” pra tentar conseguir 100 anéis ou uma vida extra.
  • Hill Top Zone – Outra que lembrava uma Zona do primeiro jogo. Repleta de lava era praticamente uma Zona de Mármore versão 2.0.
  • Mystic Cave Zone – Com passagens secretas e muitos inimigos escondidos essa fase não era uma das melhores.
  • Oil Ocean Zone – Sonic vai pras Arábias e se mete em poços de perfuração de petróleo. Essa fase tinha também uns ventiladores que te jogavam pra cima quando você menos esperava. Também tinha risco de afogamento no petróleo, mas sem música. Afundou demais, ba-bau.
  • Metropolis Zone – Difícil. Em três atos, com um chefão chato que tinha uns balõezinhos miniatura rodeando ele.
  • Sky Chase Zone – Tails pilota um avião com Sonic em cima. Diretamente ligada à fase seguinte.
  • Wing Fortress Zone – O avião de Tails alcança a fortaleza voadora do Robotinik e Sonic precisa derrotar o armamento pesado da nave para entrar na última zona.
  • Death Egg Zone – A última zona. Lá Sonic enfrenta o perigoso Metal Sonic (ou Silver Sonic, há divergências pelo que eu procurei na internet) e o robô gigante do Dr. Robotinik. Lembro de achar esses dois absurdamente difíceis e dei vários rage quits quando joguei na época. É um pouco frustrante encontrar vídeos das pessoas zerando isso em 2 minutos ou menos.

Macetes e Super Sonic

Claro, não podemos esquecer dos macetes que fizeram este jogo ser esmiuçado nos mínimos detalhes por revistas de videgame e fãs pelo mundo afora. Primeiramente, após coletar as 7 Esmeraldas do Caos, o Sonic podia se transformar no Super Sonic (o que é basicamente uma versão super saiyajin do herói, todo dourado, com os cabelos espetados). Mas se você não tivesse paciência, como eu, era só usar o macete de seleção de fases e depois usar o macete de começar o jogo já com todas as esmeraldas. Sem precisar passar pelas fases de bônus que eram meio chatinhas:

  1. Na tela de título entre em OPTION.
  2. Quando estiver na tela de opções toque as seguintes músicas do SOUND TEST (não precisa ser a música inteira): 19, 65, 9, 17. Você ouvirá um barulho de anel.
  3. Pressione o botão START para voltar para tela de título.
  4. Na tela de título, mantenha pressionado o botão A e pressione START, e a tela de seleção de nível aparecerá.
  5. Nesta tela toque as seguintes músicas: 4, 1, 2, 6.
  6. Como você está na tela de seleção de nível, você pode começar o jogo em qualquer ponto. Daí é só recolher 50 anéis e dar um pulo para se transformar em Super Sonic! A transformação consome os anéis a cada segundo, portanto não pare de coletá-los, pois você voltará ao normal quando ficar com 0 anéis.

Só falta o Kamehameha!

Tô LendoPontos Fortes
  • 2 Players – Seja no competitivo ou no pseudo-cooperativo já era um avanço pra pelo menos duas pessoas jogarem. Se você tinha um irmão ou irmã menor meio chatos, dava pra largar o controle com o Tails na mão deles e se divertir.
  • Gráficos – Os gráficos eram consideravelmente melhores que o primeiro. Sei que hoje em dia isso tudo parece meio sem motivo já que os gráficos evoluíram num nível surreal. Mas naquela época foi um avanço bacana.
  • O Sonic Dash – talvez a maior evolução de todos os jogos do Sonic até hoje! No primeiro, se você quisesse usar a “bolinha” pra arrebentar uma parede, era preciso pegar distância vir correndo e abaixar pra ter um mínimo de inércia pra quebrar algo. Com o sonic dash isso facilitou muito a vida de quem queria passar voando pelas fases.
Tô LendoPontos Meh
  • Modo Competitivo – Era legal porque dava pra jogar duas pessoas, mas a tela dividida comprimia muito os gráficos e no final você jogava quase com dois quadradinhos de sprites.
  • O Tails.  Pra um personagem novo ele é muito subutilizado. Isso só se resolveria no jogos seguintes, com a inclusão de ainda mais novos personagens, como o Knuckles. Mas no segundo jogo ele ainda era só de enfeite mesmo.

Pra um jogo 2D sidrescrolling, ele ainda faz um baita sucesso hoje em dia. Tanto que a Sega pra comemorar os 25 anos que o jogo fez no ano passado resolveu lançar um jogo novo do Sonic nos mesmos moldes desse chamado Sonic Mania. Ainda não joguei, mas nossa, quero muito.

Acho que Sonic the hedgehog 2 leva bem umas quatro rebobinadas! 📼📼📼📼

Kadu Castro

Por: Kadu Castro

Quadrinista, criador do “Escalafobético, O Ornitorrinco” ( e ainda esperando o sucesso). Professor de Inglês. Fã de quadrinhos. Aprendeu a desenhar vendo o Jim Lee, mas é fã mesmo do Scott McCloud. Acessórios vendidos separadamente. Não inclui pilhas.

2018-08-13T17:16:54+00:00 13 de agosto de 2018|2 Comentários
  • Jean Carlos

    Caraca Kadu, me amarrava nesse jogo esse dias baixei ele na versão portable pra pc e matei a saudade na verdade eu tenho um pendrive cheio desses jogos antigos.Vale sim as quatros rebobinadas!!!!

    • Esse jogo era maravilhoso. Eu lembro de jogar por horas alternando entre eu e a minha irmã (já que só tinha um videogame em casa e ela queria jogar também). Fiquei com vontade de comprar o novo Mega drive só por causa dele.