Rebobinando #146: Vingadores – Wanda e Visão

Início/Destaques, Leia!, Rebobinando/Rebobinando #146: Vingadores – Wanda e Visão

Ainda na onda de Wanda & Visão, a Rebobinando de hoje relembra mais uma história importante do casal, que redefiniu a história da Feiticeira Escarlate por anos. Vamos rebobinar a edição especial Vingadores: Visão & Feiticeira Escarlate!

Tô aqui me perguntando se a roupa do Visão é roupa mesmo ou se é pele dele, pra usar roupa em cima da roupa.

O passado de Wanda Maximoff e Visão é repleto de reviravoltas e retcons. Eu, infelizmente, nunca fui um grande fã dos personagens e perdi boa parte dessas histórias que redefiniram os personagens, quando elas saíram na época. No entanto, como um bom ratinho de sebo que eu era, consegui ler muita coisa tempos depois da época de publicação. Essa foi uma delas.

Na época da primeira publicação de Dinastia M (vem outra Rebobinando aí, aguardem) eu tentei saber um pouco mais sobre o passado da Feiticeira Escarlate, de seu irmão Mercúrio e o vilão Magneto, que eram peças centrais na trama. Acabei relendo a Saga do Alto Evolucionário, fui atrás das primeiras aparições dos personagens na Irmandade de Mutantes (que saiu por aqui em 1995 na republicação de Guerras Secretas na Teia do Aranha) e, entre outras coisas, acabei descobrindo essa edição especial lançada anos depois do casamento, contando aventuras de sua vida de casados, depois dos dois abandonarem os Vingadores.

Com amigos como esses, né Wanda?

A edição especial foi publicada por aqui pela Abril Jovem em março de 1988 e era uma compilação de uma minissérie com os personagens lançada nos EUA em 1982, com o título de Vision and The Scarlet Witch. Essas minis em geral são um “teste de campo” do mercado, para ver se os personagens sustentam uma série mensal por conta própria e, no caso dos dois, ficou só por isso mesmo. Ainda assim, ela trouxe pro mythos da Marvel talvez um dos retcons mais importantes da história da editora que redefiniu a relação de Wanda e Pietro Maximoff com os Vingadores e também com os X-men.

Visita de sogro é sempre um problema, Visão.

TESTE DE PATERNIDADE

Veja bem, a história dos gêmeos Maximoff sempre foi cheia de mistérios. A princípio era algo bem simples, eles eram mutantes, filhos de um casal de ciganos da fictícia região de Wundagore, nos Balcãs. Wanda e Pietro foram resgatados de um linchamento por Magneto e passaram a servir ao mestre do magnetismo em sua Irmandade de Mutantes como uma dívida de honra. Pode ir atrás da sua Teia do Aranha #65, saiu lá.

No entanto, em Giant-size Avengers #1 (1974), que não saiu no Brasil, os dois tiveram o primeiro choque ao descobrirem uma nova paternidade. Em uma aventura da equipe em Wundagore, os dois encontram um herói das antigas, o Ciclone. Ele havia participado de um grupo de heróis da Segunda Guerra chamado Legião da Liberdade e tinha como poder a supervelocidade. Hum. Em uma conversa com a Feiticeira Escarlate, ele conta como se casou com uma outra super-heroína chamada Miss América, e como os dois sofreram um acidente nuclear logo após ela ter engravidado. Com medo da criança nascer com alguma má-formação eles foram até Wundagore atrás do Alto Evolucionário. Lá, sua esposa deu a luz a gêmeos pouco antes de falecer. Desolado, Ciclone saiu correndo de lá, abandonando seus filhos à própria sorte. No fim, ele diz que voltou alguns anos depois, mas não os encontrou e que se arrepende de ter fugido todos os dias… Eles fazem as pazes e tudo fica por isso mesmo.

Bem ou mal, eles também seriam pais interessantes da dupla de gêmeos mutantes…

Porém, já em 1979, pelas mãos de Mark Gruenwald, Steve Grant e David Michelinie, começaram a plantar as primeiras pistas sobre a verdadeira VERDADEIRA paternidade dos dois heróis. Numa viagem dos Vingadores a (adivinha?) Wundagore, a Feiticeira Escarlate é dominada por um vilão mágico (como sempre, coitada) e Pietro acaba descobrindo quase sem querer que Ciclone e Miss América não são seus pais de verdade. Ele encontra com a doula meta-humana criada pelo Alto Evolucionário, Bova, e ela lhe conta que o nome real de sua mãe é Magda, e que ela chegou até o castelo de Wundagore depois de fugir do marido, um homem que desenvolveu poderes de repente e que passou a ter desejos de dominação mundial. HUM, ME PERGUNTO QUEM SERIA ESTE HOMEM?

Bova ainda conta como Ciclone apareceu pouco depois de Magda dar a luz aos gêmeos e fugir, e ainda complementa que tentou passar os dois para frente depois que o filho do herói dos anos 40 veio ao mundo deformado e natimorto. Nesse meio tempo, em X-men as dicas vinham sendo plantadas também, mostrando que Magneto vinha lembrando de sua querida Magda e procurando ela pelo mundo. A Marvel no entanto nunca disse com todas as letras que ele era de fato o pai dos dois, pelo menos até essa minissérie em questão. Se você ainda tiver suas Heróis da TV #93-94, essas histórias estão lá.

O guia de paternidade definitivo com as edições que saíram no Brasil e a única edição que não saiu.

A MINISSÉRIE

Ufa. Depois desse programa do ratinho disfarçado de Rebobinando, vamos à vaca fria.

Não… pera…

Err… à vaca fria. Não à vaca com frio. Desculpa, Bova.

Bom, a mini começa com uma história que é basicamente uma one-shot. No Dia das Bruxas, Wanda e Visão dão um passeio pelas ruas de um bairro de subúrbio americano super normal. Eles passeiam semi-fantasiados e atraindo os olhares das crianças que passam pelas ruas em busca de doces. A trama dessa primeira história gira em torno de um livro mágico que o Capitão América encontrou em Capitão América #35 (pela Abril Jovem) e enviou de presente para Wanda. Esse livro, no entanto, era uma espécie de prisão para o espírito do Halloween, tão antigo quanto a própria humanidade, Samhain! Ele usa o poder de Wanda e do dia das bruxas para conseguir sair do livro e ataca os heróis em sua própria casa. Wanda consegue derrotá-lo e logo no finzinho da história, quem chega de visita é ninguém menos do que seu “pai”, Ciclone.

Samhain, o espírito do Halloween dá trabalho pra Wanda.

A segunda história gira em torno de Ciclone e, ahem, seu filho Nuklo. Acontece que o bebê que todos haviam pensado que tinha nascido morto e deformado, na verdade nasceu emitindo uma espécie de radiação atômica. Além disso, ele era autista. Os Vingadores o enfrentaram em Giant Size Avengers #1 e, desde então, ele passou a ser tratado em uma clínica especial onde tentavam curá-lo de seu próprio poder. Ciclone veio pedir ajuda à Feiticeira Escarlate para tentar curar o rapaz. A história, no entanto, toma outro rumo quando todos descobrem que o novo cientista-chefe responsável pelo tratamento é um antigo arqui-inimigo de Ciclone, o vilão Isbisa (que nome é esse???). Ele criou um traje que absorvia as energias de Nuklo e tentou usá-las para finalmente derrotar seu eterno nêmesis. Entretanto, durante a batalha Isbisa é derrotado com uma superalimentação do traje, Ciclone morre, Visão perde um braço e Nuklo fica curado. 

A terceira história tem a ver com o Visão. Como na Rebobinando anterior nós vimos o passado do Visão como o Tocha Humana original e uma criação do Ultron, dessa vez nós nos aprofundamos na sua relação com Simon Williams, o Magnum. Durante o embate com Isbisa, Visão tentou atravessá-lo com seu braço intangível, mas o poder radioativo do vilão causou um trauma gigantesco, derretendo o braço do sintozóide. Visão precisou arrancar o próprio braço para continuar a lutar, mas acabou em coma. A Feiticeira Escarlate e o restante dos Vingadores conseguiram levá-lo a um hospital e com a tecnologia da equipe disponível, tentaram acordá-lo do coma utilizando os padrões cerebrais de Magnum para dar um restart. Basicamente uma chupeta cerebral, eu diria. O hospital no entanto sofre um ataque de um vilão de longa data dos Vingadores, o Ceifador. Tudo dá certo no fim. Visão acorda, mas continua dando uma de João-sem-braço. Heh.

Isbisa suga a energia de Nuklo para se vingar de Ciclone. À direita, o Ceifador aproveita o coma de Visão para se vingar de Magnum.

A quarta e última história leva o casal até a lua. Não no sentido bíblico exatamente, mas no literal. Os Vingadores levam os dois até Attilan, a cidade dos Inumanos, para consertar o braço do amigo. Acontece que a equipe tem uma espécie de “embaixador” no reino dos inumanos na figura de Pietro Maximoff. Ele havia se casado com a inumana Crystallis e recentemente ela havia dado a luz à bebezinha Luna. Aproveitando a tecnologia avançada deles, a Feiticeira Escarlate esperava que seu irmão pudesse ajudar a recuperar o cunhado. Porém a edição abre com uma “figura misteriosa” chegando no castelo de Wundagore e indagando sobre uma tal de Magda, que havia passado por lá anos antes. Boca solta como só, Bova conta a mesma história que conta à todo mundo. A figura misteriosa avança em direção à lua, ao descobrir a identidade dos filhos de Magda.

O restante da edição é um embate entre Magneto e os inumanos até um pequeno momento de trégua, quando o vilão finalmente revela que foi até Attilan para ver sua netinha. Todos ficam chocados e horrorizados, mas percebem a “estranha semelhança” entre Pietro e Erik Lensherr. E pronto, finalmente a Marvel resolveu essa crise de paternidade.

MAGNETO, VOCÊ É O PAAAAAI! #FÓÓÓÓ

Pelo menos até 2014 com a minissérie EIXO. Mas aí é assunto para outra Rebobinando.

Tô LendoPontos Fortes
  • Roteiro e Desenhos. Bill Mantlo e Rick Leonardi arrebentam. Acredito que, como nas histórias dos Vingadores, essa decisão da paternidade dos gêmeos ficou mais a cargo da diretoria do que dos roteiristas responsáveis da série, mas Mantlo consegue manter o mistério e desenvolver um roteiro bem envolvente com os personagens. Rick Leonardi eu já amo desde sempre, e acho que o desenho dele vale a pena toda vez que aparece.
  • Magneto. Eu gosto do Magneto como pai de Pietro e Wanda. Eu cresci com essa história já bem-definida e sempre achei que fez muito sentido, além de ser um drama envolvente nas histórias dos x-men. É uma vibe meio Luke x Darth Vader, e eu curto.
Tô LendoPontos Meh
  • Retcon do retcon do retcon… Como você viu, foi uma confusão até chegarmos a essa definição. Durante os anos, vários roteiristas meteram o dedo nessa história e procuraram resolver uma questão que, francamente, não precisava ser resolvida, né? O único ponto chato mesmo foi que anos depois, quando a Marvel despontou nos cinemas, surgiu o lance de uso de personagens nos filmes, criando um problema legal entre a Marvel Studios e a 20th Century Fox, que precisou ser resolvido simplesmente tirando o status de mutante dos personagens… Aí de repente, seus pais sempre foram os ciganos Maximoff, COMO TINHA SIDO LÁ NO INÍCIO. Enfim… quadrinhos, né?

Taí um exemplo de pai… ! Tem uma grande atração pelos filhos!

Eu particularmente nunca soube dessa paternidade do Ciclone, muito provavelmente porque as histórias nunca saíram no Brasil. Uma coisa que eu acho engraçada no personagem e que, ainda bem que ele não é mais marcante do que um mero coadjuvante, é o nome dele em inglês: The Whizzer. Porque é um caso clássico de uma expressão que muda de sentido com o passar dos anos. “Whiz” em inglês é uma onomatopeia usada para coisas que passam voando muito rápido, mas com o tempo passou a ser associada com “fazer xixi”. Então algo que no passado tinha um sentido de “O Veloz”, hoje em dia passa a ser conhecido como “O Mijão”. Imagina só a vergonha? Hahahaha. Pelo menos “magneto” soa mais imponente.

Então essa é mais uma parte da história da Feiticeira Escarlate e do Visão. Dessa vez com um foco maior nas origens de Wanda, mas sem deixar de lado a importância do seu marido sintozóide. A minissérie foi uma apresentação bacana do novo status quo dos personagens, pelo menos até as reformulações seguintes, em especial a trazida por Brian Michael Bendis em Vingadores: A Queda (Avengers: Disassembled, no original) e sua sequência direta Dinastia M, em 2004 e 2005 respectivamente.

E as histórias dessa edição especial ainda estão disponíveis no encadernado Feiticeira Escarlate & Visão: Dia das Bruxas, e valem bem a pena. Corre lá.


Vingadores: Visão & Feiticeira Escarlate vale quatro rebobinandos. 📼📼📼📼

Kadu Castro

Por: Kadu Castro

Quadrinista, criador do “Escalafobético, O Ornitorrinco” ( e ainda esperando o sucesso). Professor de Inglês. Fã de quadrinhos. Aprendeu a desenhar vendo o Jim Lee, mas é fã mesmo do Scott McCloud. Acessórios vendidos separadamente. Não inclui pilhas.

2021-01-25T21:19:37+00:00 25 de janeiro de 2021|0 Comentários