Rebobinando #05 | Homem-Aranha: Tormento

Início/Leia!/Rebobinando/Rebobinando #05 | Homem-Aranha: Tormento
Caverna do Caruso - Rebobinando #05

Cá estou eu de novo, como o teu avô, contando histórias do arco da velha, proferindo o já clássico “mas é que no meu tempo…” e tentando ensinar pra vocês que antes de ser da Hydra, o Capitão já foi nazista, que antes de sair quebrando pescoços no filme, o Super já matou gente nos quadrinhos, e que nos anos 90 existia uma banda chamada “Que Fim Levou o Robin?” (NÃO PERGUNTE)… Mas hoje falaremos do Homem-aranha.

Caverna do Caruso - Rebobinando #05

Aranha pensa na vida

A minissérie Tormento foi lançada aqui no Brasil em 1992 pela finada Abril Jovem e mais recentemente pela Panini em 2013, naquela coleção das capas pretas horrorosas. Nos EUA, a história foi publicada como um arco em cinco edições da nova revista mensal chamada só Spider-man em 1990. Pra entender essa minissérie, é preciso sacar um pouco do contexto da época também e por que muita gente hoje em dia acha que a história meio que não se sustenta, apesar da arte ser magnífica. Precisamos falar então sobre Todd McFarlane!

Caverna do Caruso - Rebobinando #05

I’m too sexy for my shirt

Tio Todd foi o cara que me inspirou, junto com muitas pessoas da minha faixa etária, a querer desenhar e por volta do lançamento de Spider-man, ele já estava na Marvel desde 1987, quando entrou pra desenhar O Incrível Hulk. Quando ele foi para Amazing Spider-man em 88, suas primeiras edições não eram lá de tanto destaque, parecia que seu estilo ainda estava muito preso ao Marvel Way. Aos poucos ele foi deixando sua marca no herói como as poses mais ousadas, a teia espaguete e as transições cinematográficas. Depois de quase dois anos e meio na revista, McFarlane já era talvez a pessoa mais conhecida dos quadrinhos na época, qualquer coisa que ele desenhasse vendia feito água.

Daí tio Todd falou com o editor, Jim Salicrup, que “estava cansado de desenhar histórias dos outros”, em entrevistas ele comentou que o objetivo dele era só desenhar, mas que ele se sentia preso ao desenhar o que outros pediam pra ele, logo pra fazer o que ele queria, ele precisava escrever as próprias histórias. Não sendo bobo em perder a galinha dos ovos de ouro, Jim Salicrup deu a ele a chance de escrever E desenhar as próprias histórias em uma revista nova, que não precisava seguir a cronologia de anos do Aranha, com histórias fechadas. Mais liberdade que isso, impossível. Todd ficou feliz como pinto no lixo (OU DEVO DIZER, COMO UM SPAWN NO LIXO?)

Caverna do Caruso - Rebobinando #05

Heróis dormindo no lixo – a eterna fantasia de tio Todd

Por fim, a primeira edição de Spider-man foi um sucesso espetacular de vendas (HEIN, HEIN?), só sendo superado no ano seguinte pela primeira edição de X-men desenhado pelo seu sidekick, Jim Lee.

Caverna do Caruso - Rebobinando #05

Todd McFarlane e Jim Lee em um momento de descontração

Vamos a mini de fato. A história gira em torno de uma misteriosa vilã, uma bruxa poderosa, que começa a controlar o Lagarto para cometer crimes e sair devorando pessoas por NY afora. Peter está completamente alheio a tudo, só pensando na vida, na esposa gata e na quantidade de teias que ele solta. Só lá pela segunda edição que ele percebe que há algo de errado e vai atrás do problema. O Aranha enfrenta o Lagarto, mas sai muito ferido e acaba sendo envenenado, o que o torna presa fácil para a bruxa, que se revela como Calypso! Felizmente ela não faz como todo vilão e se apresenta, mas através de flashbacks descobrimos que ela é uma poderosa feiticeira vodu caribenha e que já teve um tchereco-tcheco com o falecido Kraven. Ao que tudo indica ela não é movida por vingança, mas por poder. Ela consegue aumentar seus poderes através de sacrifícios humanos e, só podemos imaginar, que ao sacrificar o Homem-aranha, seus poderes aumentariam significativamente. Felizmente, um acidente explode a mansão Kravinoff e tanto ela quanto o Lagarto escapam, deixando o Aranha livre pra voltar pros braços de MJ, sua eterna esposa (ETERNA! VIU, QUESADA?!).

Caverna do Caruso - Rebobinando #05

Coletânea de Capas homenageando Spider-man #1

Tô Lendovantagens
  • O homem, o mito, a lenda! Todd McFarlane e seus desenhos. As belíssimas splash pages que abrem cada história são incrivelmente fodas, tão cheias de detalhes que dá vontade de destruir a revista e transformar num pôster!
  • A capa! A capa de Spider-man #1 nasceu tão clássica, que é uma das capas mais reconhecidas do herói até hoje, gerando inúmeras homenagens e cópias baratas.
  • A história tem um “quê” de tensão que seria muito legal se fosse mais bem aproveitada. Ela tenta pegar carona na Última Caçada de Kraven e, de certa maneira, ler Tormento é quase que uma prévia do que seria o Todd McFarlane escrevendo Spawn uns dois anos depois. O clima noir, as narrações dramáticas, os enquadramentos em close… mortes, sangue e heróis dormindo no meio do lixo.
  • Mary Jane. Como fã velho que sou, é sempre legal ler uma história do Aranha onde ele ainda é casado com a MJ.
Tô Lendodesvantagens
  • De tentar entender a história. É bem ruim mesmo, apesar de ser “os primórdios de Spawn” como mencionei acima, ela é basicamente um pano de fundo pruma série de desenhos muito irados um atrás do outro. Não tem lá muita fluidez e nada acontece de fato.
  • Os “DOOMDOOMDOOMDOOMDOOMDOOMDOOM…” infinitos espalhados pela história afora. Minha nossa senhora, eu sei que ele quer tentar imitar o som de tambores tribais, um troço meio vodu que “atormenta” o Homem-aranha, mas valei-me, nunca soube em que ordem ler aquilo ali. Até hoje.
  • Calypso é uma vilã bem dispensável. Não lembro de nenhuma outra história do Aranha onde ela tenha sido melhor aproveitada, se alguém souber, avisa aí nos comentários.
2019-02-25T22:11:35+00:00 23 de outubro de 2017|16 Comentários