Rebobinando #02

Início/Leia!/Rebobinando/Rebobinando #02
Rebobinando #02

E aí, gente? Beleza? Aqui é o Kadu e esta é a Rebobinando, a coluna onde vamos rever bastante coisa do passado nerd de quem cresceu por volta dos anos 80-90 no Brasil. Tô falando de videogames, filmes, seriados e quadrinhos que tiveram um certo sucesso (ou, não, nunca se sabe), mas que de alguma forma ficaram na cabeça de quem já tem pelo menos mais de trinta hoje.

Pra começar, eu resolvi dar uma busca no baú da extinta Sessão Aventura. Pra quem não lembra, a Sessão Aventura era um programa que passava na faixa de horário do que hoje é a “Malhação (Insira-Aqui-um-Título-de-James-Bond)”. Nela eram exibidos diversos seriados enlatados americanos como Profissão Perigo, Anjos da Lei e até Barrados no Baile. Mas hoje eu não vou falar de nenhum deles, vou falar é de um seriado que parece ter sido esquecido por muitos: Curto-Circuito!

Com o título original de “Misfits of Science” (algo como “Os Desajustados da Ciência”), esse seriado foi uma espécie de “X-men Versão Beta” para televisão. Claro que há muito tempo já existiam séries de super-heróis dos quadrinhos para TV, como O Incrível Hulk e Mulher-maravilha. Mas todas elas meio que focavam num herói solo, enquanto que Curto-Circuito (sério, nunca entendi esse nome) era uma equipe de várias pessoas com superpoderes.

Lançada em 1985 e durando somente 16 episódios porque era muito, mas MUITO ruim, a série foi exibida aqui no Brasil em 1989 na base da reprise exaustiva. Tipo Cavalo de Fogo, sabe? Que só tinha 13 episódios, mas parecia um desenho enooooorme pq o SBT passava os mesmos episódios  T O D O S A N T O D I A, e a gente, pirralhada burra, nem notava.

Mas tio Kadu, se a série é uma bosta, porque raios você resolveu falar dela?

Ora, meu caro padawan. Foi graças a seriados desse tipo que nós temos uma enxurrada de séries de heróis da Marvel e DC hoje em dia. Talvez não ESTA especificamente, mas aqui vai uma curiosidade que eu descobri enquanto pesquisava sobre Curto-Circuito (Sério, WTF é esse nome?) para escrever aqui. Reza a lenda, ou mais precisamente, a Wikipedia, que um dos episódios da série foi o primeiro trabalho na TV atribuído à Tim Kring. Não lembra quem é? Deixa eu refrescar sua memória… Tim Kring nada mais é do que o responsável por isso aqui, ó:

NÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃOOOOOOO!

Calma, cara. Heroes, pode ter sido bem ruim, mas admitamos que pelo menos a primeira temporada foi boa. E olha só, pro bem ou pro mal, durou bem mais que os 16 episódios de Curto-Circuito (ok, desisto). E pensa também que foi Heroes que reabriu a porta para seriados como Smallville, Arrow, Flash, Agents of S.H.I.E.L.D. e etc. Você pode até não curtir alguns deles, mas o sucesso que fizeram é inegável.

Pois bem, vamos fingir que eu acredito. Sobre o que é a série, então?

A história gira em torno do cientista Dr. Billy Hayes. Ele trabalha num laboratório privado chamado Humanidyne junto com o seu colega Dr. Elvin Lincoln no setor de “Investigação Humana”. Eles estudam anomalias humanas e seres com superpoderes. No episódio-piloto, que você pode assistir no YouTube por sua própria conta e risco, eles começam investigando um “homem-de-gelo” que é descoberto em uma escavação. Pela cara do episódio, é meio óbvio que eles tentam dar uma cara de “cientistas do povão”, pros dois personagens,bem na vibe de Caça-fantasmas. Enfim, acontece que o novo chefe quer resultados mais concretos da equipe de pesquisa, obviamente para cumprir um acordo com os militares, e é nessa que Billy e Elvin são demitidos.

Na tentativa de conseguir o emprego de volta, Elvin revela a Billy que fez experimentos em si mesmo e que agora ele consegue encolher até o tamanho de um boneco Ken (o que facilita com que ele consiga roupas, duh). Ambos chegam a conclusão de que se eles tiverem mais “experimentos humanos” para mostrar no Laboratório, eles conseguiram o emprego de volta. E é aí que partem em busca de dos outros componentes da equipe: Johnny Bukowski, um cara capaz de carregar eletricidade e disparar raios, além de possuir velocidade sobre humana; e Gloria Dinallo, uma adolescente telecinética, protagonizada por uma Courtney Cox novinha, pré-Friends e pré-Filme do He-man.

No fim das contas, eles viram algo meio que Caça-Fantasmas mesmo e montam os “Misfits of Science” Team (roll credits *ping*). Procurando e enfrentando ameaças a cada episódio no esquema “monstro da semana”.

Confesso que eu lembrava pouquíssima coisa da série e que, ao assistir o piloto na internet, posso dizer com toda propriedade que ela não sobrevive ao teste do tempo. Desde a abertura clichê ao som da oitentíssima “She Blinded Me With Science”, até os efeitos especiais datados e as atuações pobrinhas, Misfits of Science tem toda a razão de estar esquecido na cabeça das pessoas. Só lembro queu achava maneiríssimo o Johnny B com aquela atitude rock’n’roll soltando raios pelas mãos e de olhos brilhando. É bom ter cuidado ao revisitar as coisas da infância.

Mas ó, acho que vale um remake dessa série aí, hein? Hoje em dia, com uns efeitos maneiros, ia estar pau a pau com Flash e afins.

2017-11-06T13:03:42+00:00 2 de outubro de 2017|20 Comentários
  • Marcelo Escudeiro

    Eu assisti está série, era bem moleque, naquela época tudo era bom, só por passar essas séries, lembro que tinha Esquadrão Classe A, MacGyver, Anjos da Lei, Duro na Queda, adorava Primo Cruzado (o cara era de Minas Gerais hahahaha).

    • Hehehe. Eu adorava Primo Cruzado e Anjos da Lei. Tem um tempinho, num desses canais da Net, tava passando Primo Cruzado tarde da noite. Não lembro se era no Nick@Nite da Nickelodeon, ou no Boomerang.

  • Cara!! Fico tentando lembrar o nome dessa série TODA VEZ e nunca consigo. Aí fico que nem idiota tentando explicar como ela era e ninguém lembra! Valeu Kadu, resolveu um problema na minha vida!

    • Hahahahaha. Disponha. Eu mesmo demorei muito tempo pra lembrar do nome dessa série tb. Mas depois queu vi em algum lugar pelas Internet há um tempo atrás o nome original, eu nunca mais esqueci. 😉

  • Adriano de Oliveira Ferreira

    porra excelente!

  • Carlos Tenorio

    Só 13 episódios?? enganou mesmo. Sobre a serie, acho que lembro, mas minha memoria começa mesmo em meados de 90

    • Pois é. A gente vivia de reprise e nem notava. Mas quem tinha 13 episódios era Cavalo de Fogo, Curto Circuito tinha 16.

      Nao é lá uma graaaaande diferença tb. 😉

  • Cassio Cavalcanti

    Não tenho lembrança nenhuma dessa série. Mas pelo que li, não to perdendo muita coisa né?

    • Nah. Mas vale ver o piloto no YouTube adiantando pras partes legais pelo menos pra dar risada.

      Tipo quando o Dr. Billy convence o Johnny B a entra na equipe com uma FITA CASSETE DO CHUCK BERRY. Hehehe.

  • “Mas tio Kadu, se a série é uma bosta, porque raios você resolveu falar dela?” cara eu dei muita gargalhada quando li isso, pois era exatamente a pergunta que eu estava fazendo kkkk

  • Taí, eu devo ter conseguido perder TODAS as reprises dessa série, porque essa eu não vi MESMO….

  • Ricardo Ferreira

    Eu assisti esta série…sim, sou velho…rs

    O episódio piloto passou em um Supercine de sábado à noite, como se fosse um filme de sci-fi. Sério! Pouco tempo depois é que a Globo começou a exibir os episódios, primeiro aos domingos, e depois na Sessão Aventura.

    Como eu sempre gostei de superpoderes, eu achava legalzinho. Mas não passa disso mesmo, não…rs

    Boa rebobinada!

    • Existe uma tal de “regra dos 15 anos” que diz que muita coisa que a gente assiste quando moleque não se sustenta se assistirmos 15 anos depois. Acho que Curto-circuito se encaixa super bem nessa regra.

      Assisti muitos dos seriados dos domingos, mas confesso que só lembro de Curto-circuito na Sessão Aventura.

  • Levi Trindade

    Ah, cara, eu até que curtia, pois era o mais próximo que havia de um seriado com super-heróis naquela época e na tevê aberta, apesar das atuações e efeitos sofríveis. Parabéns pelo texto, Kadu. E me lembro que essa série passou no Brasil por volta de 1989 e, um ano antes, a editora Abril tinha publicado a revista Justice, que tinha um grupo de pessoas normais com superpoderes, chamado PN7, que tinha uma dinâmica parecida com o seriado e, ao assistir ao Curto-Circuito, achava que tinha algumas semelhanças e acabei gostando mais por osmose do que por qualquer coisa. Em PN7, tinha até um cara meio punk/rebelde que parecia demais com o camarada com poderes elétricos do seriado. Enfim, valeu pelo resgate da nostalgia. Um abraço.

    • Cara, essa revista eu nunca fiquei sabendo, não. Mas confesso que só fui pegar em gibi de super heróis alguns anos depois de 1989. Nessa época eu ainda lia muito turma da Mônica. Mas fiquei curioso com esse PN7, vou dar uma pesquisada.

  • Mariana!!!

    caracaaaaaaAAAAAA SESSAO AVENTURA AHAHAHHAHAHAHAHAHA Q VOLTA NO TEMPOOOO eu lembro so daquele narraddor da globo falando esse nome… adorei o texto!!!!

    • Hahahahaha. Se a reação de todo mundo que ler a coluna for assim, já ganhei a Internet.😂