NAS PRATELEIRAS #56 – The Shaolin Cowboy e Sequence Shot

Início/Destaques, Leia!, Nas Prateleiras/NAS PRATELEIRAS #56 – The Shaolin Cowboy e Sequence Shot

Tá bom, The Shaolin Cowboy não foi lançado “ontem”, mesmo assim ela está Nas Prateleiras, pelo menos aqui de casa… (e da Caverna!). O caso de Sequence Shot é ainda mais grave, mas já já eu explico o que as duas revista tem em comum.

Apesar dos dois anos que já se passaram, demorei um pouco a realmente dar valor a The Shaolin Cowboy, tudo por preconceito, admito. Lá em 2016 quando a revista saiu no Brasil pela editora Mino dei de cara com a edição em uma Saraiva da vida… aberta, folheei… graficamente bonita, mas um preço acima da média para cerca de 100 páginas sem diálogo! Aquela primeira impressão é de que leria tudo em 10 minutos e fim.

Ano passado tive a oportunidade de encontrar com o autor numa mesa da Artist’s Alley da New York Comic Con e vi que esse universo podia ser bem melhor do que imaginava minha pouca sabedoria. Assim, numa promoção “o patrão ficou maluco” finalmente comprei a bendita cuja.

Apesar de meia dúzia de balões de diálogo durante as dezenas de páginas (e um texto inicial gigante muito louco que conta como o personagem chegou ali), não tem nada de rápido na leitura. Você pode ficar muiiiiito tempo observando os detalhes de cada quadro de ação. E são muitos! Páginas e mais páginas dupla só de zumbis sendo divididos e desmembrados por duas serras elétricas presas por um bastão. Não lembro de ter visto algo assim antes, ou pelo menos que tenha me marcado.

Caverna do Caruso - The Shaolin Cowboy - Pagina

Uma ideia do que você vai encontrar na páginas de Shaolin

Então, se você até hoje fez pouco caso do trabalho do Geof Darrow, melhor repensar suas ideias. Não sou só eu que estou dizendo, Darrow tem em casa 3 Eisner Awards, sendo um por esses quadrinhos e outro por Hard Boiled (numa dupla com Frank Miller).

Mas e Sequence Shot?

Esse é um quadrinho do brasileiro Greg Tocchini, aquele sujeito que destrói na arte de Low pela Image Comics. Sequence Shot foi lançado em 2013 pela pequena editora Dead Hamster, mas consegui minha edição autografada em mãos na CCXP 2017. \o/

Agora sim você pode perguntar: o que tem a ver as duas revistas? Quase igual a The Shaolin Cowboy, Sequence Shot tem muita ação e nenhum diálogo! Sem balãozinho de fala ou pensamento ou qualquer texto! (Na verdade eu sempre quis um espacinho para falar dessa revista por aqui e qualquer justificativa é válida).

Essa é uma grande história contada, como o nome já diz, em um único plano sequência… coisa de cinema. A história vai acelerando e acelerando numa sequência de acontecimentos vistos sempre por um mesmo ângulo de câmera, dando exatamente a sensação do sequence shot. SENSACIONAL!

Caverna do Caruso - Sequence Shot - Pagina

O início do plano sequência…

Essa seria uma dica no melhor estilo Caverna do Caruso, que não se encontra em lugar nenhum, se não fosse a Ugra Press vendendo a revista por… quinze reais! Não tem desculpa! Tá, se esgotar as 1000 unidades impressas desta segunda edição…

Duas obras únicas que trazem para a nona arte uma forma diferente de contar história. Só fica a dica, Shaolin tem sangue e tripas enquanto Sequence tem nudez. Então, não são recomendadas para menores.

Tô Lendovantagens
  • Vamos sair do simples e normal dos quadrinhos de herói e experimentar?
  • São duas grandes obras que merecem a atenção dos leitores pelo seu diferencial.
  • Muita ação, todo mundo gosta de ação.
  • Artista brasileiro sempre é uma vantagem!
  • Artes primorosas!
Tô Lendodesvantagens
  • Se você só curte ler… Tipo Alan Moore com textos e mais textos, esquece.
  • The Shaolin Cowboy tem um preço de capa meio alto, pesquise!
  • Sequence Shot teve divulgação beirando a zero! Mesmo para uma HQ independente, merecia mais porque é linda mesmo.

E já que está por aí, manda uma mensagem! Já leu alguma das duas revistas? O que achou? Teve alguma outra HQ que segue o princípio do “silêncio” recomendada? Até mais!

Tiberio Velasquez

Por: Tibério Velasquez

Analista de sistemas por profissão, integrante do Conselho Jedi do Rio de Janeiro, Tibério também é fotógrafo, turista, iPhoner e colecionador. Curte de tudo: filmes, músicas, livros, séries, peças teatrais, jogos e quadrinhos. Nerdices à parte, assiste sempre MMA, NFL, Rugby, NBA, MLB, futebol, e tenta não deixar a prática de esporte de lado.

2019-01-25T00:04:06+00:00 25 de janeiro de 2019|11 Comentários