NAS PRATELEIRAS #46 – Venom

Início/Destaques, Leia!, Nas Prateleiras/NAS PRATELEIRAS #46 – Venom

Depois de anos no espaço ajudando ou atrapalhando os Guardiões da Galáxia ou até em carreira solo pelo universo afora, o simbionte mais querido da garotada está de volta à Terra para encontrar velhos conhecidos.

Muita gente, principalmente após o novo filme do personagem, faz uma relação direta entre Eddie Brock e Venom, mas fato é que desde 2011 quem vestia o “uniforme” vinha sendo Flash Thompson até a Guerra Civil II, quando este voltou ao nosso planeta junto com os Guardiões (sim, o Agente Venom não estava por “aqui” há bastante tempo).

Antes desses eventos recentes o simbionte assumiu vários corpos, de desconhecidos (só para pegar aquela carona marota) até conhecidos poucos usuais como Groot ou Rocket, porém com seu retorno à Nova Iorque e novas possibilidades longe do Flash, a Marvel Comics retomou a sua revista mensal e é onde estamos agora, com o encadernado lançado este ano pela Panini Comics.

Caverna do Caruso - Venom - Lee Price

Lee não sabe, mas está prestes a receber uma ajuda dos céus

Agrupando as seis primeiras edições de Venom (2016) vemos a criatura vagando por Nova Iorque até encontrar um novo hospedeiro. Lee Price não é um cara bonzinho e Venom não é mais o mesmo de antigamente. A criatura nervosa e cheia de ódio que antes foi, passou por muitas experiências com seus companheiros terráqueos e a morte não é algo que ela aceita facilmente ou quer ver novamente na sua lista de afazeres.

Quando eles se unem, passa existir um conflito de como seguir adiante. Lee assume o comando do simbionte querendo usar seus novos poderes para benefício próprio, mas será que é isso é de interesse comum? Engraçado que, nesse momento, um personagem mafioso, o uniforme vivo e os traços me remeteram ao Darkness da Image Comics (quando ler, vê se não lembra?).

Caverna do Caruso - Venom - Capa EUA

A capa americana da revista é maior “spoilerenta” hehehe

A história é do Mike Costa que veio da IDW e tem títulos como G.I. Joe e Transformers no currículo. A arte é de Gerardo Sandoval, que curto bastante desde Os Novos Vingadores, mas sempre confundo com o Humberto Ramos, fazer o quê?

É isso, apesar de não ser o mesmo Venom que tínhamos lááá antigamente na revista do Aranha (por questões morais), é um bom retorno e diferente do Agente Venom que vínhamos acompanhando. Com participação da Gata Negra, Homem-Aranha e o retorno de Eddie Brock a história se desenrola com bastante ação, conflitos internos, ideológicos e traição. E o futuro que aguarde!

Tô Lendovantagens
  • Não precisa esperar meses para a continuação da história mesmo sendo de uma revista mensal. Curto quando a Panini lança desta forma.
  • Não precisa ter um conhecimento prévio das histórias passadas do Venom, apesar de ser bem legal para quem já conhecia o personagem e estava com saudades do Eddie Brock.
  • A história, apesar de ser de um personagem coadjuvante/vilão, é legal.
  • Tem um potencial bom para seguir em frente.
Tô Lendodesvantagens
  • Se não fosse pelo filme aparecendo por aí, ia passar bem desapercebido por muita gente.
  • Se você não curte mesmo o universo aranha ou o Venom, não é aquela leitura essencial pra sua vida, apesar de divertida.

É isso, deixe seu comentário aqui no post! Já curtia o Venom? Nunca leu nada do personagem? E o filme? Já viu pelo menos ou nem teve vontade? (Dica: não é tão bom o filme, mas pode ser divertido… ah, os Podcrastinadores vão falar dele em breve).

Tiberio Velasquez

Por: Tibério Velasquez

Analista de sistemas por profissão, integrante do Conselho Jedi do Rio de Janeiro, Tibério também é fotógrafo, turista, iPhoner e colecionador. Curte de tudo: filmes, músicas, livros, séries, peças teatrais, jogos e quadrinhos. Nerdices à parte, assiste sempre MMA, NFL, Rugby, NBA, MLB, futebol, e tenta não deixar a prática de esporte de lado.

2018-10-26T01:57:25+00:00 25 de outubro de 2018|3 Comentários
  • Ricardo Varotto

    Minha “experiência” com Venom, se é que dá para chamar por esse nome, era basicamente a história do uniforme negro das Guerras Secretas, que acompanhei na época do lançamento aqui no Brasil (e que ainda tenho as revistas originais 🙂 ). Ou seja, conhecia mais de ouvir falar e vendo uma coisinha aqui e ali. Então, como o personagem voltou aos holofotes recentemente, resolvi correr atrás de algo para ler e, cara…, tem um zilhão de histórias e vertentes diferentes: Venom, universos Venom, outros heróis vestidos de Venom, … Acumulei um material para ler um dia, mas dá até uma desanimada,

    • Por incrível que pareça, o Venom segue uma linha temporal bem definida, mas ele aparece jogado em várias revistas e atua como coadjuvante muitas vezes, o que dificulta acompanhar só ele.

      Se quiser só relembrar, a Salvat lançou um encadernado na edição 10 com o Venom desde a chegada das Guerras Secretas até encontrar com Eddie Brock. Depois eles lançaram outro encadernado, acho que 68, que reúne as primeiras edições da revista Venom de 2011 com o Flash Thompson e como ele recebeu o simbionte. Agora tem o novo início nessa revista que falei aí em cima.

      Só isso serviria pra saber o que aconteceu. As outras coisas são só de curiosidade, inclusive a série Venom Space Knight com a arte fodástica do argentino Ariel Olivetti.

      Esses do Venomized e Venomverse foi meio que aquela “brincadeira” que a Marvel faz de levar umas histórias para outra realidade ou trazer pra original, mas são bem soltas e podem ser lidas de qq maneira a qq tempo.