NAS PRATELEIRAS #39 – Poison Ivy: Cycle of Life and Death

Início/Leia!/Nas Prateleiras/NAS PRATELEIRAS #39 – Poison Ivy: Cycle of Life and Death

Hoje é dia de mais um Nas Prateleiras do Futuro, isso porque Poison Ivy: Ciclo de Vida e Morte ainda não chegou ao Brasil, apesar de já estar na hora né Panini? Com roteiro de Amy Chu e arte de Clay Mann, a minissérie tem qualidade para esgotar nas bancas e livrarias do Brasil.

Poison Ivy: Cycle of Life and Death foi lançada originalmente em 2016 com seis edições e, logo após ao fim da publicação mensal, como já é comum, em um encadernado. Apesar do sucessos recente de título como Arlequina e a nova revista da Mulher-Gato, não é normal vermos revistas por aí onde o personagem principal é o vilão, muito menos vilã. Vamos combinar também que a galeria de vilões do Batman deve ser a maior e mais legal de todo universo dos quadrinhos, muitos com comportamentos que nos levam a querer saber mais sobre eles e até pensando se ele realmente são tão vilões assim. Com a Drª Pamela Isley não é diferente.

Com várias decisões que a levaram a se tornar um dos inimigos mais poderosos do morcego (inclusive enfrentando Superman, Mulher-Maravilha e Batman juntos como vimos em Trindade, no Nas Praleteiras #36), Ivy mostra sua dualidade e vontade de fazer o bem, ao seu ver pelo menos, nessa história que colocam a vilã como uma anti-heroína.

Caverna do Caruso - Poison Ivy - Ciclo de Vida e Morte

Essa é a Drª Pamela Isley tentando levar uma vida normal

Escrito por Amy Chu, de Red Sonja e algumas histórias da Mulher-Maravilha, seguimos mais um dia na vida da personagem, trabalhando como normalmente como cientista e pesquisadora no Gotham Botanical Gardens ao mesmo tempo que usa essa posição para estudar uma forma de criar um ser híbrido entre humano e planta. Óbvio que começam a ocorrer crimes no entorno do seu local de trabalho e, de certa forma, Poison Ivy é uma suspeita em potencial. Suas pesquisas são roubadas e pessoas morrem (mas nem todas são pelas mãos dela rs…), não sabemos a identidade do criminoso de verdade, mas vamos seguindo presos nas páginas até seu desfecho.

Temos aparições especiais da Mulher-Gato, Harley Quinn (quase uma Gotham City Sirens) e Monstro do Pântano durante a aventura e a arte de Clay Mann é sensacional (quem acompanha Batman atualmente sabe). A arte-final é do seu irmão gêmeo Seth Mann que mantém o nível do trabalho. Realmente as primeiras páginas são de tirar o fôlego. Além deles, outros artistas passam pela série, como o brasileiro Robson Rocha, que assina o desenho da quarta edição.

Caverna do Caruso - Poison Ivy - Cycle of Life and Death

Duas amigas lidando com a maternidade

Um material bem legal que queria ter comprado aqui, mas acabei não aguentando a ansiedade e comprando numa livraria durante as últimas férias.

Confesso que a história têm uma queda no andamento do meio pro fim. Não sei explicar o motivo, talvez por começar tão empolgante, mas parece que perde um pouco a mão antes de se recuperar no final. A arte do último volume também começa um pouco abaixo do que estávamos vendo com Mann e Rocha (o que não é difícil acontecer se comparar qualquer coisa com o desenho desses caras), mas não compromete e termina bem. Apesar desses detalhes que tiram a perfeição da obra, continua uma minissérie excelente.

Não estaria aqui Nas Prateleiras se não fosse algo que merecesse seus reais (ou dólares).

Tô Lendovantagens
  • Amy Chu tem tudo para ser um grande nome dos quadrinhos mundial. Leia e conheça!
  • A arte de Clay Mann já pode entrar para o Hall da Fama da DC por tudo que tem feito nas revistas do Batman e cia.
  • Mesmo dentro do universo DC, sair das linhas principais que focam nos mesmos personagens é sempre legal. Conhecer um pouco mais dos vilões e suas motivações quando voltarmos a vê-los como coadjuvantes nas revistas dos heróis é bem legal.
  • História com início meio e fim (apesar de deixar várias coisas para futuras histórias).
Tô Lendodesvantagens
  • Essa HQ não ter sido lançada no Brasil é uma pena, acho que mais pessoas iam curtir.
  • Já falei que a história não se segura a 1000 do início ao fim, tem uma parte ali do meio pro fim que poderia ser melhor, mas não tira o mérito do conjunto.

Antes de ir, deixe seu comentário, opinião e dica aqui embaixo. Até a próxima semana.

Tiberio Velasquez

Por: Tibério Velasquez

Analista de sistemas por profissão, integrante do Conselho Jedi do Rio de Janeiro, Tibério também é fotógrafo, turista, iPhoner e colecionador. Curte de tudo: filmes, músicas, livros, séries, peças teatrais, jogos e quadrinhos. Nerdices à parte, assiste sempre MMA, NFL, Rugby, NBA, MLB, futebol, e tenta não deixar a prática de esporte de lado.

2018-09-11T18:06:29+00:00 24 de agosto de 2018|0 Comentários