NAS PRATELEIRAS #32 – O Outro Lado da Bola

Início/Destaques, Leia!, Nas Prateleiras/NAS PRATELEIRAS #32 – O Outro Lado da Bola

Lançado no mês passado pela editora Record, a HQ conta a história de Cris, apelidado pelas fãs de “maestro”, após assumir sua homossexualidade publicamente quando teve seu companheiro morto em um crime de homofobia.

Primeiramente: estamos de volta! Julho já chegou e vamos correr atrás das revistas que ficaram de lado durante as férias. Muitas novidades a caminho… Vamos que vamos!

Com roteiro por Alvaro Campos e Alê Braga (com trabalho para cinema e TV, mas sem nenhum destaque para quadrinhos até então), acompanhamos o dia a dia do jogador de futebol Cris e pessoas próximas a ele após o anúncio em rede nacional de sua homossexualidade. Sim, apesar de não parecer, isso não é um caso real e sim uma obra de ficção, não porque ninguém foi morto por preconceito e sim, porque, até hoje, nenhum de jogador de futebol profissional de um grande clube se declarou publicamente gay.

Caverna do Caruso - O Outro Lado da Bola

Nessa página eu já estava pensando: isso daria um filme hein!

Seguimos o desenrolar dos acontecimentos, a reação da torcida, da sua filha, amigos, dirigentes de futebol, políticos e companheiros de clubes são mostradas de forma muito bem retratadas e, se você conhece um pouco desse mundo do futebol, tem certeza que seria meio que assim mesmo. (Estamos em 2018 e no primeiro dia de Copa do Mundo um casal é agredido na Rússia por causa da homofobia!)

Há quem apoie o jogador, há quem ache que a imagem dele deva ser mudada após o caso… Em meio a tudo isso, Cris se vê perdido entre tantas reações vindas de todos os lados, muitas críticas e alguns atos isolados de apoio, mas vemos ele tirar aquela força para continuar nas suas decisões página a página. Soma-se uma ótima história, com flashbacks de personagens, cortes de cenas… o roteiro tá bem redondinho como a bola que entra no ângulo e estufa a rede no fundo do gol.

Caverna do Caruso - O Outro Lado da Bola 2

Deixa que eu bato! O cara que manda!

Família, amizade, religião, política (ah, política… sempre metida em tudo) e, claro, preconceito. Tudo isso é tratado nas mais de 200 páginas de leitura fácil, interessante e emocionante. Vemos todos os problemas gerados por algo que não deveria ser de importância para ninguém chegar a níveis absurdos num grupo de pessoas que vemos facilmente no meio futebolístico.

Quem assina a arte é Jean Diaz, que já fez trabalhos para editora americanas e projetos independentes. Suas ilustrações me lembram um pouco os traços das edições de The Walking Dead, mas me incomoda as vezes a retratação dos rostos do personagens, claro, sem tirar o mérito do artista que usa muito bem os tons de cinza nessa HQ em preto e branco.

Mais que recomendado. Grande arte e excelente história. Boa reflexão!

Tô Lendovantagens
  • Ótimo material nacional.
  • Uma história para ser lida por todos. Com certeza pode ajudar a abrir a cabeça no combate ao preconceito.
  • Bom custo benefício, com 40% de desconto hoje na Amazon, por exemplo.
  • Muito legal ver a Record, que tinha basicamente Asterix em seu portifólio de HQs, lançando mais quadrinhos nacionais.
Tô Lendodesvantagens
  • Só não consegui entender porque a capa, numa HQ, é uma foto de não uma ilustração. Se eu visse em outras Prateleiras que não essas aqui, ia achar que era um livro e não uma revista em quadrinhos.

É isso aí! Não vá embora sem fazer seu comentário aqui embaixo. Bem, se não comentar na ida, pelo menos volta aqui depois de ler porque tenho certeza que você vai!

Tiberio Velasquez

Por: Tibério Velasquez

Analista de sistemas por profissão, integrante do Conselho Jedi do Rio de Janeiro, Tibério também é fotógrafo, turista, iPhoner e colecionador. Curte de tudo: filmes, músicas, livros, séries, peças teatrais, jogos e quadrinhos. Nerdices à parte, assiste sempre MMA, NFL, Rugby, NBA, MLB, futebol, e tenta não deixar a prática de esporte de lado.

2018-07-05T10:20:09+00:00 5 de julho de 2018|3 Comentários
  • Eu curti a proposta. Só estranhei que o livro tá mais pra uma série do que para um filme. Mas há grandes momentos. Muita bola levantada pra outras histórias.

    • Série! Boa.
      Olha aí Netflix!

  • LK

    Valeu pela dica, vou procurar.