NAS PRATELEIRAS #19 – Ajin: Demi Human

Início/Destaques, Leia!, Nas Prateleiras/NAS PRATELEIRAS #19 – Ajin: Demi Human
Caverna do Caruso - Ajin Demi Human

Ajin: Demi-Human, como foi lançado no Brasil, é um mangá que tomou o mundo depois que a Netflix comprou os direitos de distribuição do anime no início de 2016. Foi lançado em 2012 no Japão e no início de 2016 no Brasil pelo selo Planet Manga da Panini Comics. Atualmente o mangá está no seu 11º volume do Japão e EUA e cada um possui cerca de 5 capítulos originais e, por incrível que pareça, não estamos muito atrasados (a 9º edição foi lançada em Dezembro de 2017).

Tudo começa quando o mundo descobre uma nova raça de seres humanos considerados imortais, os ajins. Capturados e “estudados” pelos governos (por “estudados” leia-se torturados e mortos repetidas vezes das maneiras mais inumanas possível), eles são tratados com preconceito, como aberrações, pela sociedade que é obrigada a denunciá-los para a polícia e desconhecem o verdadeiro objetivo por trás de tudo isso.

Com esse mundo em mente, a história segue Kei Nagai, um estudante comum, introvertido, que é morto em um acidente quando é atropelado por um caminhão, porém…Tcham Nammmm!.. retorna a vida… Kei Nagai é um AJIN!  (Bem, já imaginávamos que o protagonista não seria uma pessoa normal vivendo seu dia normal… ai ser bem chatinho.)

Caverna do Caruso - Ajin Manga - Inicio

A morte é apenas o começo…

A partir daí conhecemos mais como o poder deles funcionam, a capacidade de regeneração, a invocação de um “fantasma” que pode ser controlado (ou não)… Enquanto Nagai vai aprendendo o que é ser um ajin, nós também vamos. No início, a luta dele é contra a polícia e o governo, fugindo para não ser capturado, mas a situação piora quando Sato convoca outros ajins escondidos e cria um grupo para se rebelar contra o governo, expondo as atrocidades que são feitas contra eles. Isso tudo só no primeiro volume. A história continua e vamos entendendo a motivação e passado de cada personagem, quem está falando a verdade, quem está mentindo e até novas habilidades de cada um.

Ajin chegou rapidamente ao sucesso no Japão e ganhou o anime baseado na sua história (três filmes que foram divididos em forma de série para a primeira temporada e a segunda temporada, lançada em Outubro de 2016). O roteiro porém foi escrito por Hiroshi Seko e a consequência da chegada um roteirista diferente do autor do mangá é que a história começa a fugir do original na segunda temporada. Enquanto temos uma primeira temporada excelente (com sequências de ação absurdamente bem feitas e empolgantes), a segunda temporada já é mais morna e alguns backgrounds de personagens acabam sendo menos trabalhados que no mangá original. Porém mesmo assim, se você não curte ler mangá, o anime vale a pena.

Caverna do Caruso - Ajin Manga - Saito e Tanaka

Sato mata meio mundo para resgatar um ajin

O mangá é escrito e ilustrado por Gamon Sakurai, até então desconhecido, porém no primeiro volume temos também Tsuina Miura creditado como escritor (deve ter saído por diferença criativa). Não importa muito… E sinceramente, Sr Sakurai, você tinha minha curiosidade agora tem minha atenção!

Tô Lendovantagens
  • A história, apesar de uns pontos “já vi isso antes”, é muito boa e a forma que é contada, os plot twists e os personagens… tudo muito bem trabalhado.
  • A arte também merece destaque: os caras sabem trabalhar o uso de sombras em um quadrinho preto e branco. Fora a sensação de movimento e planos que não vemos muito sendo feito no ocidente.
  • O material nacional tá quase colado com o importado e dá tempo de correr atrás facilmente. Todas as edições você acha mole: não é aquele mangá que você não acha mais o número 1, 2 e 7.
  • Apesar da história seguir adiante, existem uns pontos que você pode parar pra descansar (até se você quiser esperar lançarem outras edições), porque, se deixar, a vontade é de ler tudo de uma vez.
  • E indo pro anime, a cena da invasão do Sato no laboratório que está fazendo experimentos no Tanaka é uma das cenas de ação mais legais que você vai achar na Netflix.
  • Assisti alguns com a dublagem em português e… gostei. Se não curtir o áudio original em japonês, veja em português sem problemas.
Tô Lendodesvantagens
  • Pode não parecer ser algo totalmente novo, principalmente se você já leu muitos mangás e assistiu animes: seres imortais, que invocam fantasmas para lutar por eles, grupo terrorista de superseres contra o governo…
  • Acredito que ver o anime e depois ler o mangá pode ser prejudicial porque a qualidade do anime é muito boa, animação de primeira linha, e pode deixar a ilustração do mangá “menos melhor”
  • Série infinita! Sim, ela não acabou ainda e não tem previsão, então pode demorar um tempo até termos um final mesmo. Porém, algumas tramas se fecham.
  • Sobre o anime, a segunda temporada não é tão boa quanto a primeira. Parece que começaram a escrever quando ainda não tinham todo o material original sido lançado em mangá, sabe? Ou porque queriam amenizar um pouco o passado de um personagem. Vai saber…

Se você gosta de quadrinhos, leia! Se gosta de série, assista! Ah, depois volta aqui e conte o que achou e me agradecer. 😉

Ah, antes que esqueça, tem bastante violência, mortes e sangue. Não recomendado para crianças.

Tiberio Velasquez

Por: Tibério Velasquez

Analista de sistemas por profissão, integrante do Conselho Jedi do Rio de Janeiro, Tibério também é fotógrafo, turista, iPhoner e colecionador. Curte de tudo: filmes, músicas, livros, séries, peças teatrais, jogos e quadrinhos. Nerdices à parte, assiste sempre MMA, NFL, Rugby, NBA, MLB, futebol, e tenta não deixar a prática de esporte de lado.

2018-03-01T15:10:09+00:00 1 de março de 2018|2 Comentários
  • Marcos Lopes

    Esse mangá é sensacional! E apesar de a temática aparentemente ser “mais do mesmo”, acho que eles abordam essa questão de “ser imortal” no século XXI de uma forma muito interessante. E achei a primeira temporada da série na Netflix muito bem adaptada!

    • Sim, verdade.
      E gostei muito da primeira temporada, foi uma experiência nova pela ação. Sato ficou muito badass.
      Acho que a segunda não é tão boa quanto.