NAS PRATELEIRAS #103 – The Old Guard

Início/Destaques, Leia!, Nas Prateleiras/NAS PRATELEIRAS #103 – The Old Guard

Hoje é dia de conhecer essa obra da Image Comics que ficou famosa mundialmente graças a recente adaptação da Netflix. Saiba o que aconteceria se Highlander encontrasse Atômica!

The Old Guard foi lançada originalmente em 2017, idealizada por Greg Rucka, o mesmo vencedor de prêmios que já foi responsável por Batman, Mulher Maravilha, Justiceiro, Lazarus e tantos outros, acompanhamos a história de um grupo de soldados de aluguel. O diferencial? Eles são imortais.

A personagem principal e líder do grupo é “Andy”, protagonizada pela Charlize Theron na adaptação para as telas. Não sabemos quantos anos ela tem, mas sabemos que são muitos, com histórias que remetem às primeiras cruzadas. O restante da equipe são Brooker, Joe e Nick. Um grupo de humanos imortais que usam suas habilidades principalmente para fazer o bem para a humanidade.

Caverna do Caruso - The Old Guard - Pagina 1 Netflix

Não é fácil se livrar dessa galera.

Tudo muda quando eles encontram Copley, um intermediário com uma nova missão para o grupo, mas que na verdade não passava de uma trama para conhecer essa capacidade imortal para fins não tão nobres. Ao mesmo tempo que precisam lidar com essa publicidade, uma nova imortal surge no mundo e eles precisam resolver como lidar com cada situação.

Temos bastante ação, tanto na HQ quando no filme, mas o interessante aqui é lidarmos com o fardo da imortalidade. O que poderia ser algo sonhado por muitos, pode ser um peso quando vemos as pessoas que gostamos envelhecendo e morrendo.

Existem vários detalhes que mudam os quadrinhos do filme: um clichê aqui (o filme tem vários mais marcantes), uma mudança de fala ali, mas as obras são bem parecidas no geral. Até por isso, vale escolher a forma de consumir a história que mais gosta e depois pode ver como ficou do outro jeito.

Tem bastante ação e sangue sim

O filme também entra um pouco no segundo volume The Old Guard: Force Multiplied, ambos desenhados por Leandro Fernandez com as cores marcantes de Daniela Miwa. A arte de Fernandez é as vezes caricata e as vezes surpreendente, não me apaixonei de cara. As cores sim, vale prestar atenção nesse “detalhe”.

Tô Lendovantagens
  • Apesar de parecer algo reciclado, é uma boa história com momentos surpreendentes.
  • Greg Rucka é um grande roteirista e soube adaptar bem sua obra para as telas, vale ver o filme também.
  • História curta, o primeiro volume conta com apenas cinco edições, então é fácil de ler. A HQ vai vai direto ao ponto.
Tô Lendodesvantagens
  • Não saiu no Brasil, então apenas em inglês.

E não saia sem deixar seu comentário. Já leu a HQ? Sabia que o filme era uma adaptação? Teremos um sucesso o suficiente para a continuação? Mande sua mensagem.

Ah, e não deixe de ler sobre Atômica aqui também.

Tiberio Velasquez

Por: Tibério Velasquez

Analista de sistemas por profissão, integrante do Conselho Jedi do Rio de Janeiro, Tibério também é fotógrafo, turista, iPhoner e colecionador. Curte de tudo: filmes, músicas, livros, séries, peças teatrais, jogos e quadrinhos. Nerdices à parte, assiste sempre MMA, NFL, Rugby, NBA, MLB, futebol, e tenta não deixar a prática de esporte de lado.

2020-07-30T20:53:49+00:00 30 de julho de 2020|0 Comentários