CDC #62 – BAD BOY

Bad Boy é uma criação de Frank Miller e Simon Bisley. Esses dois nomes, combinados, já seriam motivo o suficiente para justificar a presença dessa revista aqui na coluna. Aliás, esses nomes, mesmo separados, já seriam justificativa o suficiente, pra falar a verdade! Mas, pra falar mais a verdade ainda, eu só lembrei dessa revista por causa de um leitor aqui da Caverna, que deu a sugestão! Como eu fico muito feliz com a troca de comentários aqui embaixo, resolvi desencavá-la da minha coleção e dar aquela espanada na memória.

Bad Boy conta a história de um menininho malvado que começa a questionar seus pais e, consequentemente, o universo a sua volta. Isso leva a desdobramentos surpreendentes sobre tudo que ele pensava. É um pouco difícil descrever a trama sem estragá-la. Mas eu posso dizer que vale a pena. Não é a melhor coisa do mundo já feita, mas é um daqueles trabalhos do Miller de qualidade, que se perderam no tempo. Muito se fala sobre as obras clássicas do Frank Miller (que são muitas), mas alguns trabalhos dele, que também são bem legais, acabam caindo no esquecimento sabe lá deus por quê.

A arte do Simon Bisley é maravilhosa e por si só já vale a revista. Pra quem não lembra, ele foi o responsável pela arte de Lobo Está Morto, revista que eu amava de paixão em minha tenra pré-adolescência. E ele é o cara ideal para transcrever esse mundo de revolta e esquizofrenia em que o menino Jason, protagonista de Bad Boy, vive. Então mesmo que você “só leia as figuras”, esse pode ser o gibi ideal pra você. Especialmente se você ainda tem uma criança revoltada dentro de si. E quem não tem?

Bad Boy foi publicado originalmente na Inglaterra, depois saiu nos Estados Unidos pela Oni Press, que costuma publicar várias coisas legais alternativas (Scott Piglrim saiu por eles também) e já saiu no Brasil duas vezes, pela Pandora Books e pela Devir. É um One-Shot, curtinho, de leitura bem rápida. É daqueles que uns amigos mais “finos” diriam que é pra ler numa cagada só. Como eu não vou falar mais sobre a trama, para não quero estragar a leitura de ninguém, só posso dizer vai sem medo, que é divertido!

Tô Lendovantagens
  •  One shot. Qual foi a última vez que você pegou uma revista pra ler, sem assumir um compromisso para a vida toda, com universos estendidos, referências, etc? É bom fazer isso de vez em quando! É uma leitura totalmente descompromissada…
  •  Por isso mesmo, é excelente para emprestar para amiguinhos que não participam do mundo dos quadrinhos
  •  Com medo de ler Cavaleiro das Trevas 3? Essa pode ser a forma ideal e segura de você matar a saudade do bom e velho Frank Miller
  •  Traço cheio de personalidade do Simon Bisley
  •  História bem diferente
  •  Saiu no Brasil! Duas vezes! Duplo Êêêê!
  •  É fácil de encontrar por preços acessíveis por aí. Eu vi umas no Mercado Livre bem baratinhas…
  •  Por ser uma leitura rápida, não deve atrapalhar a sua enorme pilha de coisas pra ler!
Tô Lendodesvantagens
  •  Não li as edições nacionais, não sei dizer se a tradução ficou boa ou se ficou cheio daqueles “cale sua maldita boca”
  •  É um gibi despretensioso, eu acho. Se você for esperando uma baita leitura, pode achar meio ‘meia boca’. Como um gibi despretensioso, ele deve ser lido despretensiosamente.
  •  É muito curtinho. Se você pagar caro por ela, pode ficar chateado com a velocidade da leitura.
  •  Confesso que não posso botar a minha mão no fogo para dizer se envelheceu bem… Minha lembrança é de que sim, MAS vai confiar na lembrança!

E aí? Quem tem? Quem conhece? Quem nunca leu? Deixem aqui seus comentários e vamos falar de quadrinhos!

Até à próxima e boas leituras!

Tô LendoAlgumas imagens!
2020-03-18T13:03:42+00:00 18 de março de 2020|0 Comentários