CDC #43 CRYING FREEMAN

Início/Caverna do Caruso, Destaques, Leia!/CDC #43 CRYING FREEMAN

Esse mangá é bem estranhinho, mas é um dos melhores mangás que eu já li na minha vida (o que me faz questionar um pouco a minha vida), mas se você der uma chance, acho que pode ser o da sua também!

Crying Freeman é escrito por Kazuo Koike & Ryochi Ikegami, duas feras entre os mangakás. Tenho bastante dificuldade em guardar os nomes japoneses, mas Kazuo Koike é o autor de Lobo Solitário, que é um classicaralhaço que tem que ser lido por todos em algum momento. Lobo Solitário é tão clássico, que eu nem pretendo falar dele aqui, pois considero meio chover no molhado. Todo nerd que se preze tem que saber do que se trata. E o Ryoichi Ikegami é o desenhista de Sanctuary, outro mangá fueda, que foi publicado incompleto pela Conrad. Quer dizer, só medalhão, um belo encontro de titãs japoneses. Ou kaijus. Deveria ter escrito kaiju pra tirar uma ondinha.

O roteiro conta a história de Long Tai Yang, “o melhor assassino da organização chinesa 108 Dragões”. Ele é um assassinaço, fodaralhaço, o Batman dos assassinos, mas que sempre derrama uma lágrima a cada vez que ele mata uma pessoa. Vamos acompanhando a jornada desse personagem para ser o líder de uma organização criminosa, sobrevivendo às tentativas de assassinato recorrentes à sua vida, formando alianças, irritando pessoas, se apaixonando, etc. É uma longa e bela jornada. Apesar do personagem principal ser um assassino, ele tem uma certa nobreza, um código de ética, que te faz torcer por ele como o mais puro dos heróis. E apesar (também) deu ter utilizado uns adjetivos absurdamente superlativos para descrever o mangá, ele não tem nada de absurdo: nada de aliens, poderes paranormais, robôs gigantes e esse tipo de coisa. É uma ambientação urbana e super realista (apesar, é claro, da fodice estilo ultra Batman do personagem principal).Crying Freeman HQ

O traço também é belíssimo, bastante realista e elegante. Sem olhos e bocas desproporcionais, ou narizes cartunescos e cara de emoji. Às vezes as feições são tão perfeitas, que chegam a parecer Xerox de uma fotografia. Isso tudo sem perder agilidade na trama e principalmente nas cenas de luta, que são sensacionais.

Ele foi publicado a primeira vez em 1986 e tem toda a cara de clássico. Só fui conhecê-lo por volta de 2009, mas a leitura não me pareceu ter envelhecido nem um dia. Até as roupas de época davam um charme todo especial e deixavam os personagens ainda mais verdadeiros.

Outra característica importante de se ressaltar nesse mangá é o erotismo. Definitivamente é um mangá adulto, com muitas cenas de sexo. Isso somado a um desenho realista… bem… leva a momentos… sei lá… meio… “nossa!”. Não sei descrever de outra forma. Mas é intenso. Às vezes parece até um pouco gratuito, mas se encaixa com a história e é muito bem feito.

Vamos a algumas vantagens e desvantagens!

Tô Lendovantagens
  • São apenas 10 volumes (em termos de mangá, isso pra mim é uma maravilha!)
  • Todos foram publicados pela Panini, que fez um excelente trabalho, as capas são todas lindas e homogêneas
  • Foi publicado também pela Sampa, com leitura ocidental, então você tem as duas opções se quiser!
  • A série já está completa há muito tempo, então é possível garimpá-la por sebos a preços atrativos (eu sempre acho legal ter algo para procurar em sebo!)
  • Muito bem escrita
  • Muito bem desenhada
  • Extremamente realista
  • Cenas de sexo picantes
Tô Lendodesvantagens
  • Cenas de sexo muito picantes (passei uma vergonha lendo esse mangá na fila do banco, tentando esconder as splash pages mais explícitas da visão dos outros. Minha vontade era gritar “gente, não é revista de sacanagem, é um mangá sobre mortes e assassinatos na máfia japonesa, fiquem tranquilos!!!)”
  • Preto e branco
  • Essa é uma desvantagem só pro pessoal mais afim de uma depravação, mas as genitálias são apagadas. Então muitas vezes rolam umas cenas de sexo com vaginas fantasmas e extrovengas inexistentes (graças a deus, aliás, se não eu ia ter ainda mais dificuldade na fila do banco)
  • O formato da Panini é um pouquinho menor que o dos outros mangás. Já o da Sampa é no tamanho mais “normal”. Eu acho a arte tão boa, que merecia alguns centímetros a mais…
  • Por se tratar de algo escrito nos anos 80, no Japão, acho que não vamos conseguir fugir de algum grau de sexismo. Mas se o contexto for levado em consideração, talvez possa até ser considerada uma obra que pode apelar para ambos os sexos, por abordar aspectos tão variados na trama. (Porém serei o primeiro a retirar essa colocação caso venham aqui reclamar)

Bem, acho que é isso!  Pra quem não conhece, esse é um tesouro prestes a ser descoberto, dando sopa desde a década de 80! Pra quem já conhece, please, me ajude a convencer quem não conhece a conhcer! De qualquer forma, deixem seus comentários!


Até a próxima quarta e boas leituras!

Tô LendoAlgumas imagens!
Crying Freeman HQ
Crying Freeman HQ
Crying Freeman HQ
2019-06-16T14:10:12+00:00 12 de junho de 2019|0 Comentários