CDC #34 – Freshmen

Início/Caverna do Caruso, Destaques, Leia!/CDC #34 – Freshmen
CDC #34 - Freshmen

Essa coluna costuma ser reservadas para grandes achados da nona arte, verdadeiras pérolas que passam despercebidas e merecem ser lidas pelo público nerd e civil a todo custo. Esse não é um desses casos. Freshman não é nem de longe a melhor coisa que eu já li na vida. Mas pode ser uma leitura divertida, ainda mais para quem procura algo descompromissado para ler.

A história acompanha um grupo de calouros que ganha super poderes bem bizarros. Boa parte dos super poderes, inclusive, são bem pouco “supers”. Mas mesmo assim eles formam um “super” grupo junto com um castor falante (sim, tem um castor falante), pra resolver sei lá que problema, porque já faz muito tempo que eu li a revista e eu não me lembro.

Mas o que eu lembro é o tom do humor que acompanha o título! Situações que misturam o universo dos calouros na faculdade com o universo de super-heróis, criando um novo universo bastante divertido. Poderes inusitados são colocados em situações mais inusitadas, como o caso do rapaz que “ouve” as plantas (algo que pode estragar sua vida se sua diversão é frequentar o campus e “queimar” uma erva)! Seguindo essa linha meio “sessão da tarde”, temos arrotos super poderosos, gordinhas que não pegam ninguém com alto poder de sedução, um casal que vive brigando e seus poderes só funcionam quando se tocam e um calouro sem super poder algum e muitos outros personagens, que vão causar “altas confusões nessa universidade muito louca”.

Os desenhos de Leonard Kirk (achei extremamente curioso o nome desse cara ser uma combinação de Leonard Nimoy com Capitão Kirk! Será verdadeiro?) são altamente competentes, lembrando um pouco de Tom Grummet, Paul Pelletier e Kevin Maguire, sabe? Aqueles caras que fazem um trabalho legal, às vezes meio basicão, mas que nunca decepcionam!

Mas o mais curioso de tudo é a co-criação da série, que é creditada ao Seth Green, fã confesso de quadrinhos e criador de nada menos que o Robot Chicken! Bota o nome do cara no Google rapidinho pra você ver de quem eu estou falando (vai lá, eu espero). Viu? Ele é mega conhecido!

Então se você está sem nada pra ler, quer dar uma folga desses quadrinhos que se levam muito a sério, essa é a revista ideal pra você! Ela foi publicada pela Top Cow e saiu aqui pela Panini em 3 edições em 2007 (nunca vou entender o que levou a Panini a publicar isso, mas que bom que publicou!). Isso faz dela facílima de achar por aí em qualquer sebo desse nosso Brasil Varonil, à preço de banana!

Vamos a algumas vantagens e desvantagens:

Tô Lendovantagens
  • Publicada aqui nas terras tupiniquins
  • Fácil de achar, normalmente tem uma porção dessas mini-séries encalhadas em tudo o que é lugar
  • E pelo mesmo motivo, fácil de barganhar um preço mais baratinho por ela (esse é o tipo da revista que fica melhor quando você paga menos)
  • Só 6 capítulos (compilados em três revistas nacionais)
  • Bobo e divertido, ideal para fãs de Deadpool, por exemplo!
  • Bons desenhos
  • Personagens interessantes, com origens e poderes mais interessantes ainda, coisa que a gente vê muito pouco pelos comics mainstreams mundo a fora
  • Um castor falante. Isso é sempre vantagem. (E um castor falante muito anterior ao recente sucesso de racuns falantes, então, quer dizer, crédito duplo!)
Tô Lendodesvantagens
  • História bem bobinha e superficial (se você acabou de ler Maus e quer manter o nível, essa leitura definitivamente não é pra você)
  • É mais pra quem curte o universo dos super-heróis, eu acho
  • O grau de babaquice me parece apelar mais para o público masculino do que feminino (mas posso estar enganado)
  • O que foi publicado no Brasil é só o primeiro encadernado. Existe um segundo que nunca saiu aqui e eu também nunca li. Então, se você AMAR essa revista e quiser mais, vai ter que catar na gringa. Mas convenhamos… “AMAR” Freshman? Really?
  • A tradução das piadas tira um pouco da graça (eu suponho) da versão original. Fica com aquele sabor esquisito de filme dublado, cheio de “maldito” isso e “maldito” aquilo, “seu perdedor” e etc. Coisas do universo americano, que na versão original talvez ficassem mais engraçadas.

Uma curiosidade que eu esqueci de falar e não consegui encaixar nos parágrafos acima porque eu escrevo mal, é que a capa, feita pelo argentino Rodolfo Migliari, remete claramente ao ator Toby Maguire. E, observando com atenção, ao lado dele estão representados a Mila Kunis e o ator Breckin Meyer, ambos colaboradores do Seth Green no Robot Chicken! Provavelmente, uma brincadeira do rapaz com seus amigos…

Então, se você estiver sem absolutamente nada pra fazer e sofrendo uma falta crônica de leituras, leia! Se você já tiver lido, por favor, deixe aqui suas impressões!

Até a próxima e boas leituras!

Tô LendoAlgumas imagens!
2019-01-28T16:55:41+00:00 30 de janeiro de 2019|20 Comentários
  • JJSIL Designer

    Bom dia, “carente”..hehehe, te vi ontem no queimando a língua. Eu e minha esposa gostamos muito dos 3 Elementos, continuem com o ótimo trabalho.
    Se quiser se divertir leia – Norman: The First Slash. Vai rir um bocado, não sei se foi lançado no brasil.
    Abraços

    • Opa, fale mais sobre isso! Fiquei curioso! Do que se trata, saiu por qual editora?
      E obrigado por me visitar aqui!

      • JJSIL

        Boa tarde Caruso, então a revista conta a história do Norman, um serial Killer de 8 anos…huehuehhe.
        Foi publicada pela Titan Comics, não sei te dizer se foi publicada no Brasil.
        Nao sei se dá pra por link aqui, mas, segue o link da editora.

        https://titan-comics.com/c/657-norman-the-first-slash/

        • Hahahaha Sensacional, já curti! Me lembrou muito um quadrinho do Jhonen Vasquez que eu gostei muito. Chamava SQUEE! Eu já resenhei ele no site antigo, devo reprisar a coluna aqui em algum momento. Acho que você vai gostar desse material, vale a googlada. O Jhonen Vasquez é o criador do Invader Zim, uma das minhas séries de animação preferidas! Irei atrás desse Norman, com certeza!
          Ah, e na onde de Serial Killers, também indico a coluna sobre Killer of Demons, caso queria dar uma olhada, tá aqui:
          http://cavernadocaruso.com.br/cdc-08-killer-of-demons/

  • Bruno Messias

    Essa eu li! Melhor definição: bobo igual Deadpool. Mais bobo, na minha opinião (eu até gosto daquela minisserie Deadpool/Agente X que saiu há muito tempo… Achava legal a dinâmica dos clientes da IMA e da Hidra malhando na mesma academia).
    Freshman eu achei interessante pela premissa, o nerd de HQ sendo o único que não ganha poderes… Mas achei muito ruim no fim das contas! Parece escrito por alguem da quinta série!
    Mas ainda assim tá lá guardada na minha coleção…

    • Hahahahahahahahahahahaha Assista o Frango Robô, Bruno, que você vai ver quão “quinta série” o Seth Green consegue ser!

  • Leonardo Vieira

    @supercaruso, prometo comentar sempre por aqui, atenderei seu apelo. kkkkk
    Sou teu fã brother, principalmente na podosfera…

    • Muito obrigado, Leonardo! Se quiser me ouvir ainda mais, é só clicar na aba “ouça” para encontrar com facilidade TODOS os podcasts que eu já participei na vida, dos mais famosos aos mais obscuros!

  • Yago Ghuttyerrys

    A arte lembrou-me bastante de algumas edições mais leves e superficiais, em questão roteiro e importância ao universo de Deadpool com uma pegada da época dos Novos 52. Porém, histórias leves e não tão “Super” são boas para aliviar a mente entre leituras pesadas. Irei conferir, tentarei achar nas lojas da cidade. E, Caruso… eu enviei um e-mail, querendo fazer parte de seu site. Tenho uma boa experiência sendo redator e professor de filosofia, minhas aulas são totalmente utilizando Quadrinhos e Mangás.

    • Sim, acredito que, organizando direitinho, tem um momento certo para todas as leituras!
      Eu estava viajando Yago, voltei ontem. Vou dar uma olhada com carinho lá no seu e-mail, ok? Abs!

  • Tiago Soares

    Li Freshmen na época que foi lançada no Brasil e lembro que essa minissérie chegou as bancas junto com outra HQ da topcow chamada Hunter Killer que era uma HQ bem “massa véio” com a arte do Mark Silvester . Na época tive vergonha de falar para meus amigos nerds que gostei mas de Freshmen do que de Hunter Killer .

    • Hahahahahah E Hunter Killer como era? Era bom? Eu curto bastante a arte do Silvestri! Lembro que nessa época eu li Kim, com a arte do Garry Frank, que era legalzinho. Mas o Hunter Killer eu nunca cheguei a pegar. Será que eu pego??
      E seu segredo estará guardado comigo, Tiago! Aqui é um espaço de segurança, para admitir as coisas. (Embora eu também teria vergonha de admitir que gostei de Freshmen)

      • Tiago Soares

        A premissa de Hunter Killer é como seria se a Guerra Fria tivesse sido travada utilizando super-humanos em vez de armas nucleares .
        Todos os desastres históricos não ocorressem pelos motivos que conhecemos e os super-humanos estivessem envolvidos .
        Do Mark Waid e do Marc Silvestri ( os desenhos do Silvestri são apenas nas primeiras adições )
        Mark Waid sempre vale a pena dar uma conferida , apesar de não ser um dia seus melhores trabalhos .

        • Meu deus, não sabia que era Mark Waid! Você já tinha me ganhado em “Guerra Fria”, mas agora eu vou catar num sebo COM CERTEZA! Brigadão, Tiago!

  • Ricardo Varotto

    Interessante. Vou procurar. Gostei da arte.

    Aproveitando, você já leu Kennel Block Blues? Acabei de ler e achei a ideia super legal (apesar de não ter gostado tanto do final). E é curtinha. São só quatro edições.

    https://uploads.disquscdn.com/images/95384fcecd18b75cd0d86c45d5c6da1a06472641d94f707c9a36e9dc64424ce9.jpg

    • Uau, não li! Já amei a capa! Vou colocar na minha want list, com certeza. Será que já encadernaram?

      • Ricardo Varotto

        Li digital nas fontes alternativas, mas na hora em que vim sugerir, dei uma olhada e o mais próximo de publicado aqui que consegui achar foi a versão ebook na Saraiva, e os quatro volumes separados na Amazon.

        Quem diria que eu um dia conseguiria sugerir uma coisa que você não conhecesse… 😉