Nossa! Já deve ter uns quatro ou cinco anos que eu estou devendo essa indicação! Recebi as revistas do Salomão Ventura diretamente do próprio autor, com um sketch que eu guardo com muito carinho até hoje. E, mesmo terror não sendo minha praia, a leitura me surpreendeu bastante!

(Aliás, já começo a coluna de hoje pedindo licença pela “invasão temática” ao amigo Daniel Braga autor da coluna Sexta Feira 13, que escreve sobre o assunto com muito mais propriedade do que eu. E já fica aqui o jabá! Se você curte essas coisas, dá um pulo lá na aba dele aqui do site)

A maneira mais simples de definir Salomão Ventura é: Hellblazer do folclore brasileiro. Uma figura sombria, não se sabe direito se é herói ou vilão (mas é herói), que aparece pra ajudar as pessoas com os seus “problemas sobrenaturais”. Histórias curtas e fechadas, envolvendo Sacis, Lobisomens, Curupiras e tudo mais que você imaginar, sempre com uma viradinha interessante, que te entretêm na medida certa. Diferente de alguns materiais mais ufanistas, a pegada aqui é bastante orgânica e não fica com cara de imitação de quadrinho americano, mas com cocar na cabeça, como alguns quadrinhos brasileiros da segunda metade dos anos 90.

Minha única ressalva vai para arte, que apesar de boa, às vezes parece um pouco mais “leve” que o seu conteúdo. Fico imaginando o que um estilo mais realista como o do Bryan Hitch ou mesmo algo mais dark como Mike Mignola ou Ben Templesmith poderiam fazer com a história. Por outro lado, isso me ajudou bastante a terminar a leitura sem ficar com medo de ir na cozinha à noite, então também não posso reclamar muito.

O autor, Giorgio Galli, é um camarada muito simpático, que eu tive o prazer de conhecer pessoalmente nas convenções presenciais (ah, que saudade). Além de dar aula de quadrinhos em Niterói, ele tem vários outros títulos homenageando a era de ouro e prata dos quadrinhos. Vale a pena conhecer o trabalho dele e seguir a sua conta no instagram!

Tô Lendovantagens
  • Quadrinho nacinonal! Cada gibi que você compra, ajuda a tirar o país do buraco!!!
  • Histórias fechadas, ou seja, se você só achou o número 3, pode ler só o número 3 sem problemas
  • Bons diálogos e ótimas tramas!
  • Personagem muito bem contruído. Estivéssemos nós em um país avançado em termos de produção audio-visual, essa série já teria sido vendida para Amazon, Netflix ou Globoplay
  • Ideal pra quem curte John Constantine, Hellboy e Cidade Invisível
Tô Lendodesvantagens
  • A folheada pode não ser muito convidativa, mas vai por mim que as histórias são boas!
  • Preto e branco (não chega a ser uma desvantagem, porque o uso das massas de preto ajudam a dar um ótimo clima sombrio, mas eu gosto sempre de avisar pro caso da pessoa comprar pela internet sem saber)
  • Não sou muito fã das capas com foto montagem
  • Como eu falei, acho que a arte poderia ser um pouco mais dark. Bill Sienekenwicz seria um ótimo artista convidado para essa série, fica a dica!! rs

Alguém conhece? Já ouviu falar? Diz pra mim o que achou aqui na área de comentários!

Tô LendoAlgumas imagens!