CdC #17 – Wolf-Man

Início/Caverna do Caruso, Destaques, Leia!/CdC #17 – Wolf-Man
CDC #17 Wolf-Man Robert Kirkman Jason Howard

Procurando uma leitura diferente? The Astounding Wolf-Man pode ser a leitura certa para você! Criado pelo Robert Kirkman (o mesmo criador de Walking Dead, Invincible e, pasmem, Battle Pope), The Astounding Wolf-Man conta a história de um rapaz casado, pai de família, que um belo dia decide acampar com a sua mulher e acaba mordido por um lobisomem! Mas até aí você pode falar “ah, história de Lobisomem? Eu já vi isso!” A diferença é que esse é… um Lobisomem super-herói!!!

Depois de entender e dominar os elementos “sobrenaturais”, tipo lua cheia, sede por sangue, descontrole, etc (tão divertido colocar um “etc” numa frase dessas), o nosso personagem principal logo começa a ver as vantagens de sua condição (afinal de contas ele vira uma criatura super forte, com instintos animais e capacidade de regeneração quando muda de foram) e decide usar seus poderes para o bem! Por que não? No fim das contas, um lobisomem não deixa de ter as mesmas características de alguns heróis conhecidos: aparência do Fera, instintos de um Wolverine e a transformação de um Hulk! Só que dessa vez misturando elementos do oculto em sua gênese, ao invés de planetas moribundos, aranhas radioativas, raios cósmicos ou bombas gamas.

Nesse ponto o Robert Kirkman, um verdadeiro apaixonado por Super-Heróis, é um gênio! Quando foi a última vez que você acompanhou o surgimento de um super-herói? E um que fosse original, ainda por cima? Num mundo de reboots e personagens com backgrounds de 500 edições, é renovador poder acompanhar algo do zero como a gente fazia quando era criança. E não se engane: apesar das criaturas sombrias (clãs seculares de lobisomens, vampiros clássicos que não brilham na luz do dia e… ETC) a história é de super herói. Por isso o título brinca com os adjetivos Marvelísticos (Astounding = Astonishing) e ainda usa Wolf-Man, com hífen, ao invés de “Werewolf”, como seria esperado dentro da norma “oculta”.

CDC #17 Wolf-Man Robert Kirkman Jason Howard

A história tem muita ação e diversas reviravoltas, o que te prende bastante. Os personagens, apesar de bastante simples, têm relações verdadeiras e identificáveis, o que te coloca dentro da trama, como se ela estivesse acontecendo com você. Além das aventuras malucas, tem espaço na revista para relação de pai e filha, marido/mulher e tutor/aprendiz. É um pacote completo!

Super recomendo essa leitura para todo mundo que ama quadrinhos. Caso eu ainda não tenha te convencido, eis alguns pontos:

Tô Lendovantagens
  • São só quatro volumes! Robert Kirkman levanta seu personagem e o universo que ele habita, deixando a história em aberto, para ser utilizado depois, quando quiser, por quem quiser. Chega a dar um pena de não ler mais suas histórias ad infinitum, mas o pacote é tão amarradinho que era melhor não estragar!
  • Saiu pela Image, muito fácil de completar
  • Trama extremamente cativante
  • Leitura fácil, sem muita complexidade. Super prazerosa e não exige demais do leitor.
  • Apesar de ter todos os indicadores clássicos de um “gibi de menino” eu desconfio que ele possa ser apreciado por todos os gêneros, em especial pra quem curte um pouquinho de ação na sua leitura. Os personagens femininos são ótimos e o personagem principal, na falta de uma descrição melhor, é um fofo. O que, na minha humilde opinião, ajuda na unisexariedade do título.
  • Mesmo ele sendo inserido no universo de Invincible, não precisa de nenhuma leitura prévia. Até o crossover acontece naturalmente dentro da revista de um jeito muito interessante – ele cabe tanto na revista do Wolf-Man quanto na do Invincible, tanto que o Kirkman publicou os dois nas duas histórias. Ou seja, quem acompanha os dois personagens, que nem eu, teve que ler a mesma história duas vezes. O que é bastante curioso, porque você lê cada vez sobre a ótica de um dos personagens. Já falei que esse cara é um gênio?
  • Uma mistura perfeita de algo clássico (Lobisomem) com algo clássico (Super Herói) criando algo novo! De novo: gênio!
  • Lobisomem com colete a prova de balas e logo de super herói. Quando você ia ver isso na vida?
Tô Lendodesvantagens
  • Não foi publicado no Brasil
  • O traço não é o mais incrível de todos. È um pouco chapado, um pouco duro e até um pouco simplório. Não chega, nem de longe, a ser ruim. Mas é algo que talvez possa afastar o leitor numa folheada rápida.
  • Não espere uma leitura muito profunda. Ela emula, acredito eu que propositadamente, as clássicas histórias de origem dos anos 80/90. Não tem grandes subterfúgios dramáticos ou narrativos. É só história, linearzona e direto ao ponto!
  • Apesar de ser meio alternativex, ele é um personagem bem mainstream. Então se você só gosta de sexo, drogas e Rock and Roll, esse personagem não é pra você, melhor continuar no Crumb mesmo…
  • Como o final é em aberto, vai te deixar com um gostinho de quero mais durante suas próximas luas cheias!

Bem, é isso! Eu espero que você goste e vou adorar saber a sua opinião no espaço dos comentários. Estarei aqui para tirar qualquer dúvida!

Até a próxima e boas leituras!

Tô LendoAlgumas imagens!
CDC #17 Wolf-Man Robert Kirkman Jason Howard
CDC #17 Wolf-Man Robert Kirkman Jason Howard
CDC #17 Wolf-Man Robert Kirkman Jason Howard
CDC #17 Wolf-Man Robert Kirkman Jason Howard
CDC #17 Wolf-Man Robert Kirkman Jason Howard
CDC #17 Wolf-Man Robert Kirkman Jason Howard
2018-05-16T17:23:59+00:00 16 de maio de 2018|18 Comentários
  • Pedro Paulo

    Excelente Resenha Fera!!! Fiquei curioso pra conferir, vou colocá-lo na minha lista de leitura junto com os quadrinhos do Salomão Ventura (indicação dos Podcrastinadores hahahaha), pois me amarro bastante neste tema sobrenatural/folclórico e neste caso, com o diferencial do personagem em questão ser um super herói, abração!!!

  • Léquinho Maniezo

    Marv

  • Léquinho Maniezo

    Pronto, agora que eu já fiz a piadinha posso comentar sério. É engraçado a habilidade que o Kirkman tem de escrever coisas que são muito legais de ler. Quando o cara acerta a mão é divertido para caralho. E esse gibi me deu mais vontade de ler Invincible, que eu nunca li por nunca ter corrido atrás do que já saiu aqui e não querer comprar a gringa (desculpa Kirkman, era isso ou Injetction).

    Sobre o traço do homem-lobo advogado realmente é um pouco duro, parece até um pouco o trabalho que estão fazendo no Sociedade da Virtude, provavelmente proposital também, para dar um ar mais CRASSICO.

    Boa indicação Seu Caruso, até semana que vem.

  • IDRIS ELBA RAMALHO

    Caramba, isso é muito legal!
    Kirkman é mestre em fazer histórias rápidas, leves e divertidas!
    Ainda tenho desejo de ver ele escrevendo um personagem nesse estilo nas grandes editoras. Talvez por curiosidade mórbida, kkkkk. Como seria ele escrevendo uma mensal do Homem-Aranha, Asa Noturna ou Batgirl?
    Adoro o desenho, curto demais esse estilo de arte mais voltado pro cartoon.
    Aliás, se saísse uma série do Wolf-Man no Adult Swim, ia ser incrível!

    • O Kirkman já escreveu mensais na Marvel! Ele pegou o título dos X-Men Ultimate, se não me engano no arco com o Mojo. Também escreveu algumas histórias do Homem Aranha para Marvel Team Up. São histórias bem legais, mas nada demais. Como ele mesmo já falou em entrevistas, acho que a chance dele voltar a escrever para uma grande editora é bem pequena (a salvo se oferecerem um mega contratão de pop star quando ele estiver cansado dos próprios títulos, acho eu), pois ele chegou a conclusão que “era melhor gastar suas ideias com suas próprias criações, do que com as dos outros”. Coloquei aspas, mas não foi exatamente isso que ele disse, embora a ideia tenha sido essa.

      • IDRIS ELBA RAMALHO

        Sem falar que ele tem liberdade pra fazer o que quiser.
        E ganhar dinheiro pra caramba, como foi no caso de The Walking Dead.

      • Capitão CoruJão

        Não foi do Kirkman o arco do Quarteto Ultimate onde encontram um Quarteto Zumbi de uma Terra paralela? Acho que sim, e foi do caralho.

        • Ah, sim! E ainda teve todo o Marvel Zombies que era dele e fez mó sucessão na época!

  • Parece ser bem legal,me lembrou um pouco de fábulas. Mas o Kirkman me deu uma canseira em walking dead, acabei desistindo. Vou dar uma olhada nessa.

    • Sim, tem algumas semelhanças pelo lance do lobisomem e tudo mais, mas segue outro caminho completamente diferente! Por se tratar de uma revista de super heróis, essa aí é bem mais acelerada e movida pelas ações do que Fábulas, que tem um ritmo mais devagar, denso e contemplativo. Aliás, gosto muito de Fábulas! Tá na fila pra ser resenhado aqui!

  • Greicy Duarte

    Fiquei muito interessada em ler o quadrinho só de ler sua resenha, ficou muito bom… parabéns!

    • Que bom que você gostou, Greicy! Continue lendo a coluna para encontrar outras sugestões interessantes! Obrigado pelo feedback, apareça mais vezes por aqui! Bjs

  • Capitão CoruJão

    Reciclou o post do Ananás Planador mas tá valendo. HQ muito legal, com jeitão clássico Marvel dos anos 60, tipo Invencível ou Dragão Selvagem. Comentários mais específicos vide a área de comentários do falecido site.

    • Er,,,, Não sei se você reparou, mas desde o início metade das colunas são reposts do falecido site, para reabastecer esse. As inéditas são sempre as de numeração mais alta.

      • Capitão CoruJão

        Não tinha reparado não. Eu não ía muito lá, só das vez em nunca.

  • Fábio Ochôa

    Poutz, Caruso, é de fato um dos poucos heróis originais surgidos de maneira, digamos, “clássica”, sem o lenga-lenga de querer subverter o gênero. O que era muito legal e original nos anos 80, mas dá um puta cansaço 30 anos depois.
    Uma boa parte disso é culpa das próprias majors, não? Afinal, para que criar um Astounding Wolf-Man para uma Marvel da vida se depois é ela que vai lucrar com os filmes, bonequinhos, camisinhas e o que mais vier daí? Daí só resta a elas lidar com as infinitas variações de propriedades que já existem, o que acaba levando a Thor Mulher, Thor Negro, Thor Anão, Thor Javali em vez de novos personagens com estas características. É curioso, mas as editoras grandes estão deitadas em uma cama que elas mesmas armaram com suas políticas draconianas, enquanto a Image segue solta e inovando.