CDC #14 – The Mask

Início/Caverna do Caruso, Destaques, Leia!/CDC #14 – The Mask

Esquece o filme, esquece o desenho, esquece até o joguinho de Super Nintendo. Muita gente não sabe, mas assim como Men In Black, The Tick e RED, O Máskara foi antes de tudo uma história em quadrinhos! E uma das melhores histórias em quadrinhos que eu já li na minha vida…

Criada por John Arcudi e Doug Mahnke (a mesma equipe criativa de Major Bummer, a revista tem um tom muito mais sombrio, sujo e perverso. Não se sabe a origem ou o funcionamento da tal máscara que é o verdadeiro personagem principal da história, o que se sabe é que ela confere poderes quase de desenho animado para o seu usuário, como por exemplo, criar armas do nada, desafiar as leis da gravidade e da física de um modo geral, dentre outras coisas. No entanto, se os poderes são de desenho animado, os resultados são mais que “reais”. Para quem sofre a ação, uma banana de dinamite na boca pode ser um pouco mais assustador e menos engraçado.

Outra coisa interessante é acompanhar a máscara passar de mão em mão, a cada arco de história. Uma atitude bastante corajosa para o roteiro, que eu ainda não vi ser tomada em muitos quadrinhos até hoje. Dessa forma, mesmo você se apegando aos personagens que você conheceu no início da série, o “elenco” seguinte é todo reformulado, o que te dá tanto um senso de realidade, como se você fosse uma testemunha ocular impotente de tudo que está para acontecer. Só os leitores (e talvez a própria máscara) sabem a m***** que vai dar quando alguém resolve colocá-la na cara.

The Mask O Máscara John Arcudi Doug Mahnke

O traço do Doug Mahnke, ainda que distante do que ele viria ser, é muito bom e bastante consistente com o seu desenvolvimento como artista. Eu sou bastante suspeito pois sou muito fã. Ele consegue fazer perfeitamente o contraponto entre a realidade exagerada histriônica do Maskara e o mundo “real”, fazendo suas consequências ficarem ainda mais palpáveis.

Apesar do tom bem mais sombrio do que suas outras encarnações, a trama também tem espaço para o humor (normalmente ácido) de alta qualidade. Algumas piadas me fizeram abaixar a revista e rir alto… (E ainda fazem, sempre que me lembro!)

Se você adorava esse personagem nos anos 90, você precisa visitar a sua origem. Ela não envelheceu nem um pouco, vale a pena ser lida hoje, você não perde por esperar.

Se você odiava esse personagem nos anos 90, dê uma chance para a sua encarnação original. Talvez você mude de opinião!

Tô Lendovantagens
  •  Uma excelente leitura para quem está buscando uma alternativa ao mundo dos super-heróis, pois é um conteúdo completamente diferente, no mesmo formato.
  • Saiu pela Dark Horse e teve mais de uma reimpressão. Então não é nenhuma raridade.
  • É uma mistura única de realismo e fantasia, juntando o urbano com o universo dos desenhos animados. Vai ser provavelmente diferente de tudo que você já leu na vida.
  • Te deixará com um conhecimento único para cagar regra na sua próxima festinha.
  • Os 3 primeiros volumes (ou talvez até os 2 primeiros) são o suficientes pra você “completar” essa leitura.
  • Algumas das melhores piadas da sua vida estão te esperando lá dentro!
Tô Lendodesvantagens
  • Não saiu no Brasil, só na gringa.
  • Algumas piadas contém trocadilhos com a língua que talvez sejam melhor apreciadas por alguém com algum domínio do americanês.
  • Uma das reimpressões da Dark Horse tem um formato escroto, menor do que o americano, que, na minha opinião, não faz jus a arte do Doug Mahnke. Os três volumes originais são um pouco mais chatinhos de encontrar (mas você encontra!)
  • Depois dos primeiros 3 volumes (ou dois) a série perdeu bastante a qualidade e ficou bem sem pé nem cabeça, então é melhor ficar nesses três primeiros mesmo (ou dois).
  • Vai fazer você achar o filme do Jim Carey uma bosta.

Alguns crossovers foram publicados aqui no Brasil. Nenhum deles faz jus à revista original do personagem, na minha humilde opinião. O melhorzinho é o encontro com Lobo, acredite se quiser! Em todos caso, é um prazer compartilhar esse personagem tão querido com todo mundo! Se você já conhecia a sua versão original, por favor, deixe aqui o seu recado na sessão de comentários!

Até a próxima e boas leituras!

Tô LendoAlgumas imagens!
The Mask O Máscara John Arcudi Doug Mahnke
The Mask O Máscara John Arcudi Doug Mahnke
The Mask O Máscara John Arcudi Doug Mahnke
The Mask O Máscara John Arcudi Doug Mahnke
The Mask O Máscara John Arcudi Doug Mahnke
The Mask O Máscara John Arcudi Doug Mahnke
2018-04-04T17:21:43+00:00 11 de abril de 2018|22 Comentários
  • Valtécio

    Comprei os dois omnibus (aquele do formatinho escroto) da série e estou na metade do segundo.

    As histórias são muito bacanas e tem realmente uma violência bem estilizada, que deixa o personagem mais maluco que o retratado nas outras mídias. Os personagens secundários (Kellaway e Walter) também são bem mais interessantes que as versões animadas.

    Gosto de ver como o Maskara pega alguns traços da personalidade dos hospedeiros e potencializa na maluquice.

    Só achei que ele não combina com outros seres superpoderosos. As histórias com o lobo e aquela Ghost, por exemplo, são bem ruins.

    • Boa, Valtécio!
      Infelizmente o personagem perde um pouco de fôlego à medida que as histórias avançam. E os crossovers realmente não fazem jus à história original (embora eu goste bastante do crossover com o o Lobo). Mas essas primeiras histórias que você leu no omnibus vão ficar para sempre! E merecem uma relida de vez em quando!

  • Só passando pra dizer que um próximo filme do Máscara tem que ser com o Caruso. Essa foto de capa do artigo ficou muito show!!

  • Jean Carlos

    Que arte foda Caruso, não conhecia em quadrinhos, uma pena não ter saído aqui.

    • Sou fãzaço desse desenhista até hoje! Se quiser conhecer outro trabalho do cara, dá uma olhada na coluna sobre Major Bummer, na Caverna do Caruso #3. Dá pra acessar pela “lista completa” que você acha mais rápido!

  • Bruno Messias

    A única coisa do Máskara que eu li foi o Crossover com o Batman. Sim, é muito ruim. 🙁

    • O crossover com o Lobo vale mais a pena! Mas bom mesmo é a revista de linha!

  • The Freeman, El Cucaracho Libr

    Já ouvi falar muito bem dessas primeiras edições, mas procurei o formato físico em tudo que é lugar e não encontrei. White people problems :/

    • Essa versão omnibus que o Valtécio falou aqui em cima costuma ser mais fácil de encontrar. No mais, o jeito deve ser apelar para a Mile High Comics ou Amazon…

      • The Freeman, El Cucaracho Libr

        Amazon BR só tem esse omnibus em formato e-book. E o foda dessas lojas americanas é pagar o frete. Qualquer coisa o jeito é apelar pra locadora do Ultra se bater o “desespero”.

        • The Freeman, El Cucaracho Libr

          Não da Lojas Americanas, mas das lojas que… Ah, você entendeu.

          • Haha, entendi. Mas cara, o frete da Mile High comics é o mais barato que eu conheço, por isso que eu indiquei. Faz uma simulação lá! E depois, tem umas épocas que eles fazem promoção sem frete para compras acima de tantos dólares, aí a boa é juntar uns dois amigos que queiram comprar coisas e ir a forra! Só que demora a chegar, tem que ter paciência…

  • Léquinho Maniezo

    Caralho eu fiquei chocado a primeira vez que li Mascara. Eu adorava o desenho e os filmes… bom, são aquilo lá né, deixa quieto. MAS O DESENHO, porra pra mim, na época, era excelente. E ai eu descobri que era gibi e fui caçar pra ler… rapaz… fiquei de boca aberta, primeiramente pelo teor da revista, que não tinha nada a ver com aquilo que eu conhecia, e segundo pela qualidade mesmo. Confesso que a primeira vez que eu li já fazia um tempo que não consumia nada do personagem, mas poxa, era minha infância, e foi legal descobrir algo que deixasse o adolescente igualmente feliz.

    Doug Mahnke é lindo já falei no Major Bummer e vou falar aqui de novo, já era foda nessa época e continuou foda. O engraçado dele é que: você vê ele desenhando o mascara e é bom, ai ele vai desenhar uma história do Super-Homem e TAMBÉM É BOM, saca? Encaixa. Homão.

    Bom, é isso. FICO FELIZÃO QUANDO TEM ALGO QUE EU CONHEÇO AQUI. Até mais Caruso, abração.

    • Hahaha E eu fico felizão quando tem alguém que já tenha lido algo que eu indiquei aqui! Às vezes eu me sinto meio solitário, sabe? (NÃO ESTOU CHORANDO NÃO)
      Mas eu tenho uma lembrança muito parecida com a sua. Eu até comecei a ler as revistas em quadrinhos que adaptavam o desenho animado! Você chegou a ver essas? Eu tinha (ainda tenho) a coleção completa! E era na época do dolár um pra um, saía aqui no Brasil NA BANCA DE JORNAL! Muito doido…

      • Léquinho Maniezo

        PORRA eu não fazia ideia que essas revistas existiam, vou ter que procurar agora, mas duvido que nos sebos daqui de Mauá tenha. E poxa, se eu que nunca li quase nada de muito diferente as vezes não tenho com quem conversar, que dirá vossa senhoria que chafurda no lamaçal das caixas das comic cons kkkk

  • A arte me lembra muito das revistas do Lobo (inclusive, sdds lobo)

    “Te deixará com um conhecimento único para cagar regra na sua próxima festinha.” bom

    “Vai fazer você achar o filme do Jim Carey uma bosta.” Já acho

    • Nãoooooo, não fala assim!! O filme era divertido, vai! 🙁

  • Elvis Kleber

    Que Isso,Nem sabia que vinha das HQs!
    E Me parece que ler esse Gibi deve ser tipo descobrir como eram os contos originais dos irmão Grimm,que não eram historias tão “bonitinhas” como são os filmes Animados.Um Choque de Realidade para os Jovens desse Brasil

    • EXATAMENTE! Excelente comparação! E esse sem dúvida é um dos charmes da revista, essa mistura de duas coisas meio opostas: o universo de desenho animado e as conseqüências reais e viscerais de suas leis da física distorcidas.

  • Dennis Almeida

    Lembro do meu choque ao ler a HQ do Maskara pela primeira vez e ainda com o clima do filme é do desenho em mente…