Chegou a hora de falar de possivelmente um dos quadrinhos mais incríveis de todos os tempos! Eu já tava devendo essa coluna há um tempo, mas só recentemente eu consegui completar e ler toda a coleção de Blacksad, graças ao hercúleo esforço editorial da Sesi-SP, essa guerreira!

Encontrei Blacksad pela primeira vez em francês. Fiquei tão encantado com a arte, que, mesmo sem conseguir ler na língua do amor, comprei o álbum (lá sai tudo em álbum) mesmo assim. Depois procurei uma edição portuguesa e ainda comprei uma das edições que saíram aqui (acho que pela Panini), mas todas elas do mesmo número 1!

Só com a contínua publicação da Sesi SP, que também trouxe outros excelentes títulos europeus como Verões Felizes, que a coleção chegou ao fim. E valeu. Cada. Minuto. De. Espera.

Blacksad é um gato preto detetive. Cada tomo (como eles chamam os volumes na Europa, cof, cof), contém um caso diferente e independente da sua carreira, raríssimas vezes fazendo referência a algum evento anterior. Isso significa que os volumes, desculpa, TOMOS, podem ser lidos em qualquer ordem, sem prejudicar a leitura (embora a ordem ideal ainda seja a cronológica, porque eu tenho toc).

As tramas são todas excelentes, com ótimos pontos de viradas, ambientações incríveis e personagens deliciosos, bem típicos dos clichês da literatura policial. Mas o diferencial mesmo… é a arte.

Desenhada por Juanjo Guarnido, todos os personagens são animais antropomórficos que quase nunca se repetem. Não apenas gatos, cachorros, mas jacarés, serpentes, hipopótamos, aves e girafas. Até na hora de uma ocasional “repetição canina”, Juanjo faz questão de usar outra raça de cachorro, dando todo um tom todo especial para o personagem (como no caso dos Husks Siberianos membros do Ku Klux Klan). A fauna é impressionante, cada quadrinho pintado à mão com uma arte que dá vontade de gastar um bom tempo admirando e apreciando cada detalhe (que são muitos!). Reza lenda que ele trabalhou nos estúdios Disney durante boa parte de sua carreira, o que acrescenta mais uma faceta interessante à obra: temos aqui toda aquela ambientação de Patópolis ao qual estamos bem familiarizados, mas com tramas bem adultas, como sexo, drogas, preconceito, espionagem, palavrões, etc. A mistura do mundano com o lúdico, criando um estilo novo, que já nasce clássico!

São cinco volumes, todos de altíssimo nível. Não consigo escolher um preferido. Se você ainda está na dúvida entre apanhar ou não esse caso, vamos a algumas vantagens e desvantagens:

Tô Lendovantagens
  • Saiu no Brasil! Completo! Êêê!
  • A Sesi SP tem demonstrado ter excelente entrada nas livrarias, então deve ser fácil de achar
  • O site da editora costuma fazer umas promoções bacanas
  • Volumes independentes, quer dizer, tomos, TOMOS! Ou seja: pode parar a hora que você quiser, sem compromisso.
  • Arte incrível. Incrível é pouco. Joga no Google!
  • Temática adulta brincando com elementos narrativos que só estávamos acostumados a ver em nossa infância
Tô Lendodesvantagens
  • A leitura pode ser um pouco rápida se você for um leitor razoavelmente ávido. Isso pra quem pagou caro livro pode ser um pouco frustante (mas só um pouco, porque eu GARANTO que você vai querer ler mais de uma vez)
  • Como todo bom livro de detetive, essa é uma leitura que precisa de um pouquinho da atenção do leitor, para se ligar no personagem do fundo que está olhando de um jeito esquisito para o protagonista. Sem falar que a desatenção pode facilmente fazer você confundir os nomes dos suspeitos.

E você? Já leu Blacksad? Qual o seu preferido? Eu não consigo decidir…!!!

Tô LendoAlgumas imagens!