CDC #105 – A Herança Becker

Início/Caverna do Caruso, Destaques, Leia!/CDC #105 – A Herança Becker
CDC #105 - A Herança Becker

A Herança Becker conta a história de três irmãos com uma relação conturbada e uma família com um passado complicado. Isso é tudo que eu vou falar sobre a trama para não dar spoiler. Até falar que não vou dar spoiler já pode ser considerado spoiler. Essa aí vale a pena pegar pra ler, sem medo, no susto mesmo. Vai por mim. Vai, agora, pode ir. Vou tentar seguir essa coluna falando da revista sem falar da revista.

Eu já era fãzaço do Marcelo Costa por conta do Segundo Tempo. Aí veio Capitão Feio, que só me fez confirmar minha admiração. Então quando eu finalmente peguei Herança Becker, botei logo ela pra frente na pilha de leitura e não me arrependi.

Diferente dos outros trabalhos que eu citei, dessa vez o traço é do Magno Costa, irmão do Marcelo (ou uma baita coincidência de sobrenome). O traço é mais estilizado, com um pé no cartum, mas ainda assim, sem perder a dramaticidade ou o realismo. Todas as pessoas desenhadas pelo Magno parecem muito existir e eu tenho certeza de que eu já vi algumas delas na padaria. Marcelo Costa entra pra fazer umas sequências de flashback que também são sensacionais! Aliás, um belo destaque aqui vai para as cores, que ambientam tão bem a história que te fazem mergulhar nas páginas como se você estivesse dentro de um filme.

Como eu disse antes, não quero entregar muito do roteiro. Mas ela tem um forte clima de suspense e uma levada misteriosa que te deixa louco para chegar no final. Vários momentos me lembraram Cabo do Medo, um filme que eu não queria ter que lembrar nunca mais.

A Herança Becker sem dúvida daria um excelente filme e é uma HQ que pode ser lida por qualquer um.

Tô Lendovantagens
  • Quadrinho nacional. Todas as vendas serão revertidas para ajudar a manter esse mercado maravilhoso
  • Formato luxuoso. Essa edição da Zarabatana Books é bacanésima, grandona, com toda cara de quadrinho Europeu
  • Uma leitura bem servida, mas que passa rápido. Então não vai dar aquela sensação de “pouca coisa pelo meu investimento”, mas também não vai ficar atravancando sua pilha de leitura eternamente.
  • Uma história muito boa, com personagens tridimensionais e complexos, super interessante. Eu terminei com uma baita sensação de “que legal que eu li isso!”
  • Suspense. Não quero falar muito sobre história (acho que eu já disse isso), mas o clima de suspense te mantém grudado nela até o final.
Tô Lendodesvantagens
  • A única desvantagem que eu consigo pensar é que esse formato luxuoso, grandão, com papel de qualidade, deve custar caro no bolso do contribuinte… Então, sei lá, tem isso.
  • Ah, lembrei de mais uma coisa: acho que ela não sobrevive bem a “folheada”, saca? Quando você faz aquele test drive na livraria pra decidir se leva ou não o produto? Acho que todo esse clima de suspense que eu falei, as cores mais soturnas, o traço, etc., quando você passa rápido por eles, dão uma cara de “história chata”. MAS NÃO É! É só porque esses são elementos bastante imersivos, que não dá pra você absorver em pé num luz 70% de Livraria Cultura. Tem que sentar e ler! Aí fica bacana!
  • Minha mulher não gostou e abandonou a leitura nas primeiras 20 páginas, para meu desgosto profundo 🙁

E aí, quem já leu esse aí???

Tô LendoAlgumas imagens!
CDC #105 - A Herança Becker
2018-09-28T16:11:24+00:00 10 de outubro de 2018|13 Comentários
  • Ricardo Varotto

    Vou ver se folheio ela em pé na Livraria Cultura um dia desses. Mas o fato é que, no momento, não consigo para de ler Invincible. Estou, sei lá, na edição 35 e são 144 no total. Acho que não vou parar até acabar.

    • Hahahahahahaahahahah É bom você encontrar um ponto de corte pra revezar com alguma outra coisa, cara. Se não vai dar uma overdose em algum momento! Em que ponto você está da história? (Só preu reviver aqui…)

      • Ricardo Varotto

        Ele encontrou o pai novamente naquele planeta dos insetos e, após a batalha com os viltrumites que levam o pai embora, voltou para a Terra com o meio-irmão a tiracolo.

        Eu até pensei em fazer esse corte, como eu fiz recentemente com Powers, por exemplo, mas está tão legal, que vou continuar seguindo.

        • Segue, segue! Tem momentos melhores pra corte! Agora não, agora tá muito “what the heeeelll???”

  • IDRIS ELBA RAMALHO

    Muitas vezes a gente subestima os autores nacionais, mas pô, tem material aqui que não deve nada pro pessoal lá de fora.
    Esse ano eu comprei o primeiro volume do Hell No do Leo Finnochi, e depois de ler fiquei: “Cacete, véio. Por que diabos a Netflix Brasil não pega isso pra fazer uma animação?”

    • Total!!! Eu acabei de ler o Irmandade Bege do Roger Cruz o tempo todo pensando “como eu decuparia isso em 8 episódios num serviço de streaming?” Tava fazendo escalação de elenco e o caramba!
      Quanto ao Hell No, a gente tentou até fazer uma campanha enchendo o saco da Netflix pra ver se eles pilhavam… Até agora nada. Mas oremos! (Para qualquer um dos lados, no caso)

  • Jean Carlos

    Mais uma boa dica Caruso, eu comecei a ler nacionais atraves de vc aqui, Enciclopédia Caruso de Hqs rsrsrsrs…

    • Ooooolha só! Fico honradíssimo, Jean! Tomara que você goste desse aí também! E quando puder, cate os autores para dizer que você gostou! Eles vão ficar amarradões!

  • Ricardo Ferreira

    Uma ótima dica! O roteiro é o grande destaque da obra. Pena que falar demais acaba atrapalhando quem ainda não leu. Então não vou falar mais nada.

    Aliás, eu tenho dado mais chances ao quadrinho nacional e não tenho me decepcionado. Dois Irmãos, Jeremias Pele, Angola Janga, Tungstênio…tem muita coisa boa rolando no quadrinho nacional. Mas precisa peneirar um pouco, pois nem tudo vale a pena investir.