Leia!

Início/Leia!

CDC #145 – Fábulas

2020-06-02T16:43:13+00:00 3 de junho de 2020|

Eu já estava devendo essa resenha tem bastante tempo. Quando eu finalmente eu consegui terminar de ler Fábulas, minha única sensação era “que saga maravilhosa, eu preciso escrever sobre ela..!” Mas preciso confessar que ela não me pegou de primeira. Li o primeiro volume, na época ele tinha [...]

Rebobinando #105: X-men – Deus ama, o Homem mata

2020-06-01T17:14:57+00:00 1 de junho de 2020|

Os X-men sempre foram uma alegoria para minorias oprimidas. A longo dos seus quase 60 anos de publicação, eles representaram diversos grupos diferentes, mas sempre com uma mensagem básica: "Não seja racista!" Vem comigo rebobinar X-men: Deus ama, o Homem mata.

CDC #67 – Rising Stars

2020-05-27T11:58:54+00:00 27 de maio de 2020|

Rising Stars é quaaaaase foda pra caralho. Mas é muito bom. Mas também é quaaaaaase muito ruim. Eu sei que é um jeito esquisito de começar uma resenha, mas eu vou tentar explicar. O primeiro encadernado saiu aqui no Brasil pela Mythos e era uma excelente promessa. O [...]

CDC #144 – Elísio

2020-05-19T13:26:17+00:00 20 de maio de 2020|

Já falei aqui da editora Avec no excelente Infância do Brasil, um título que todo mundo deveria ler. Também fiquei estupefato com Quem Matou Caixeta?, que eu só li em formato digital como júri do Prêmio Jabuti (cof, cof). E agora a Avec surpreendeu mais uma vez com um lançamento de estourar a [...]

Rebobinando #125: Homem-Aranha vs Wolverine

2020-05-19T01:57:14+00:00 18 de maio de 2020|

Ah, os anos 80. Aquela época inesquecível da Guerra Fria, do Muro de Berlim, do apocalipse atômico, do medo do comunismo… opa, péra! Mas a Marvel já lançava crossovers com os personagens mais populares. Vem rebobinar Homem-Aranha vs Wolverine!

CDC #66 – WILSON

2020-05-11T13:33:58+00:00 13 de maio de 2020|

Wilson é um daqueles excelentes quadrinhos que pode estar escondido numa livraria perto de você! Tanto que eu mesmo fiquei surpreso quando eu dei de cara com a versão nacional, que eu nem sabia que existia, ali me olhando, com cara de “eu tava aqui há mó tempão e você nem viu”! Aliás, [...]